quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Eles são.... Avós! ❤

Quando se fala em anjos,
Pensamos primeiramente no maior anjo da vida: a mãe
É anjo porque cuida,
Porque ama incondicionalmente;
Assim como o pai,
Que é um ser forte e protetor.

Mas pensar em anjo de verdade,
É lembrar daqueles que foram pais e mães antes dos nossos,
Aqueles que criaram nosso anjo mãe e nosso anjo pai
Para hoje se tornarem nossa total proteção,
Para onde vamos quando queremos colo sem questionamentos
Para onde buscamos conhecimentos e conselhos derradeiros
Para onde vamos apenas para nos sentir acolhidos.

É muito mais que cuidado e amor,
É mais que a proteção,
É um pedacinho de céu na terra;
Para onde buscamos alento quando as coisas não vão bem.

São anjos que cuidam,
Amigos que amam,
Mães e pais por 2, 3, 4 vezes...

Dignos de comemoração!
Merecedores de festa!
De um dia especial!

Donos de momentos memoráveis
De boas comidas e boas histórias
Melhores ensinamentos saem da boca de quem muito já falou, mas também muito já ouviu.


Melhores conselhos dos que aprenderam por experiência
E que os transmitem por amor, apenas amor.

Não há como descrever o que são,
Nem como o amor aumenta a cada novo ser na família
E podem vim mais seres!
Sempre haverá amor...
Sempre caberá mais um...


Porque eles são anjos chamados AVÓS! 


Meu anjo mãe e suas netas lindas. Lara da esquerda, Alice a de Franjinha e Julia a minha sobrinha mais velha que muito amo





Texto de 

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Se eu cheguei até aqui, porque vou desistir?

Esses dias estava me perguntando o tempo todo sobre isso. Foi, inclusive, muito difícil sentar e escrever; porém foi escrevendo que sempre encontrei as respostas que precisava. Colocar pra fora nos faz entender o que exatamente estamos sentindo.

Quando comecei o blog eu escrevia muito mais sobre meu pessoal, e isso me ajudou muito a chegar longe. Para quem acompanha sabe que descobri a gravidez da Lara no início da faculdade (Leiam aqui como foi A Descoberta) e escrever foi uma forma de superar todos os medos que uma gravidez traz por si só, porém além de tudo isso eu precisei lidar com o medo pela idade (eu tinha 19 anos quando ela nasceu), pela sociedade (aprendi a tapar os ouvidos) e principalmente pelo: SERÁ QUE CONSIGO? 

E assim fomos passando os anos, vivendo dia a dia, sofrendo, chorando, sorrindo. Ano passado fiz um resumo de como foram os anos da faculdade, e nesse ano, não sei explicar porque não consegui me dedicar aos textos que tanto me ajudaram.

Ainda no quarto ano eu descobri minha segunda gestação e logo depois veio a perda (ainda não consegui escrever sobre apenas essa pequena reflexão sobre aborto: Eu só queria ouvir o coração, e estou chorando só de lembrar), porém me mantive forte. Percebi que mudei muito depois disso, construí uma certa casca dentro de mim, meus textos passaram a ser mais técnicos do que emocionais (desculpe as que me acompanham desde o começo se perdi minha identidade inicial), em vez de ter um blog para ajudar e ser ajudada eu comecei a escrever apenas para mantê-lo, e foi quando ele mais cresceu. Foi bom, claro! Mas eu fui sentindo aos poucos que deixar de lado aquela menina meiga que via na maternidade coisas boas e lindas estava me fazendo falta. 

E assim chegamos ao quinto ano... uma terceira gestação, medos ainda maiores, pois foi exatamente um ano depois da primeira perda e eu não sabia se queria mesmo encarar aquilo ao mesmo tempo que temia demais outra perda, eu não suportaria. A alegria de todos a minha volta foi imensa, é como se todos esperassem isso, é como se fosse a única forma de eu superar, como se um filho substituisse outro. A princípio até eu acreditei nisso, porém percebi que não é bem assim... Continuamos sentindo a presença do filho que se foi, continuamos pensando como seria se ele estivesse aqui...

Mas conforme a barriga vai crescendo, cresce também o amor! Passa o primeiro trimestre e é um primeiro grande alívio! Descobrimos o sexo e podemos passar a chamar nosso bebê pelo nome, a conexão aumenta. E nessa surpresa toda vem a descoberta de que é um menino! Que maravilha descobrir um novo mundo, aprender sobre uma nova forma. E nisso tudo, Lara sempre esteve ao meu lado com aquela meiguisse natural de sempre, um amor que foi crescendo cada vez mais, comecei a me ver mais nela, me preocupar ainda mais. Conforme ela crescia eu me apegava ainda mais e continuava com medos. E agora? Como será possível amar outro ser e continuar mostrar a ela que a amo? Será mesmo possível dividir?

Conforme os meses passaram ela me ensinou que amor não se divide, apenas aumenta! Ela me ensinou que amar ainda é o melhor sentimento e a solução de qualquer problema.

Porém eu ainda tinha (tenho) a faculdade para lidar, e um último ano é esgotante naturalmente para qualquer universitário, tinha o exame da OAB, TCC, caderno de prática... Até que reprovei na segunda fase. Gente, foi um baque muito grande. É como se eu não merecesse aquilo, é como se tudo o que planejei (na minha cabeça eu tinha que passar de primeira pra poder curtir o fim da gestação) tivesse sido jogado pro alto, apenas por correção de estilo de uma banca conhecidamente como massacradora; foi difícil, eu nunca recebi um grande não da vida assim. Quando eu não passei em um concurso ou outro, eu já tinha consciência antes mesmo de fazer que não passaria, e nos que fiz para passar, eu passei! Mas foi diferente dessa vez... é como se eu tivesse jogado fora 5 anos de faculdade, como se não tivesse valido a pena... 

Me fechei ainda mais...

Mas aí o luto passa, a realidade bate na porta. Lara precisava da mamãe de volta, Lucca precisava que eu vivenciasse a gestação, é importante que ele se sinta amado e acolhido desde o ventre. E não basta amar, nós precisamos demonstrar amor.


Então resolvi que era hora de voltar a essência: aquela mais pura e verdadeira. Eu nunca desisti de nada na vida, porque desistiria agora?
Nunca vi a maternidade como um desafio insuperável, para mim sempre houve caminhos, porque agora não teria?
Nunca desisti de um sonho, porque agora desisitiria?

Então resolvi lutar novamente. Voltei a participar de páginas de maternidade (mas no momento parei apenas para me conectar com meu novo ser - estamos a espera do nascimento a qualquer momento e quero viver intensamenteo), páginas de Direito (e voltei a estudar em geral), comecei a estudar especificamente para a segunda fase (que ou estarei com um barrigão enorme ou com um recém nascido, rsrs), mas acima de tudo: voltei a amar o que a vida oferece.

Pode ser difícil e ainda assim choro, mas lembrei-me o quanto o choro me salvou muitas vezes, então dei espaço para ele.

Me permiti não viver a perfeição, me permiti deixar os padrões de lado, eu preciso apenas ser a melhor mãe que posso ser, e como eu sempre defendi aqui: antes da mãe, existe a mulher! E não podemos deixá-la se apagar. Eu só precisava seguir meus próprios conselhos.

Faz dias que quero sentar e escrever pro blog, mas não conseguia. Faltava inspiração, ou sentimento, sei lá.

Então passei a semana toda buscando em meus próprios textos, eu meu próprio testemunho de vida forças pra não desistir de nada.

E hoje consegui! (e veio textão, hein? rsrs)

Resumo de tudo isso: o quinto ano foi fodaaaaaaaaaaaaaaa (me perdoem as palavras).

Em TODOS os sentidos: estudos, maternidade, gravidez, sentimento

Gente, isso não foi de Deus! (ou foi um grande plano Dele?)

Mas vai valer a pena!

E lembrem-se: nós sempre vamos conseguir o que queremos, basta acreditar!


Que Larinha continue crescendo linda e cheia de graça e que Lucca venha com muita saúde, porque amor por aqui tem aos montes!
Foto de Amanda Camargo

Grandes beijos e obrigada a todos que sempre estiveram aqui. Estou de volta! (AMÉM!)







Agradecimentos especiais:

A minha mãe Katia Regina que por nenhum momento me desamparou e sempre foi meu maior exemplo de que o amor tudo supera.
A Camila Teles que a princípio era colaboradora do blog apenas com textos técnicos sobre nutrição e hoje esbanja amor nos seus textos maternais, e principalmente, obrigada por ter se tornado essa grande amiga que me ouve e me ajuda nas maiores crises da maternidade. Camila Teles - Nutricionista Clinica - FAN PAGE
Aline Viana! Agora coautora do blog! Como te agradecer por essa parceria? Um dia, a própria vida se encarrega disso. Obrigada por manter o blog quando eu não tenho forças e por me mandar mensagens perguntando como estou e me ajudando a levantar, me mostrando a realidade e como podemos lidar com ela. Sabes o quanto te admiro. 
Madrinha, Carol Teles, sem você eu não conseguiria nada, não iria longe e nem acreditaria que seria possível. Você foi a melhor escolha que Lara fez por mim! Que Deus continue nos abençoando! Você é o verdadeiro papel de madrinha! E toda sua família! ❤
Amigas, obrigada por me ouvirem e verem em mim o que nem eu mesma enxergo, por me incentivarem e estarem ao meu lado sempre! Amo cada uma de vocês. Karine (agora também comadre), Helena, Pamela, Tay. 
Samanta Holtz, seu livro "Quando o amor bater a sua porta" e a resposta a meus emails foram essenciais para renascer o amor em mim! Você é a melhor escritora! samantaholtz.com.br
Yuri! Sem palavras pelo total apoio e dedicação; principalmente paciência e luta diária! Mitos, Rock & outras Filosofias

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Aniversário Nicole 4 anos Tema Ben e Holly

Nicole tava gostando muito de um desenho chamado: As aventuras de Ben e Holly.
Eu resolvi que seria o tema do aniversário dela. Foi bem difícil porque tivemos que fazer tudo, não encontrei nada nas lojas.
Colecionei latas de nescau, pintei e recortei os personagens de EVA:
Dentro colocamos giz de cera com desenhos para pintar.
Os móveis provençais era de uma amiga que me emprestou. O painel para cortina e balões era dela também.
  Na mesa colocamos os cataventos que fizemos de EVA, as varinhas mágicas dentro do vidro de leite de coco, o bolo fake e os chapéis de festa.
 O bolo nós mesmo fizemos, pegamos a imagem do castelo e tiramos tudo da nossa cabeça. O 4 também fizemos. Dentro do bolo fake colocamos bolo gelado embalado no papel alumínio.
 Vestido feito pela minha mãe, asinhas de fada e varinha mágica.
Banderirinha Nicole's 
 Gêmea gordinha linda 
Para atividades planejei esses carinhas:
Dentro colocamos alpiste e pó de serra. Enfaixamos com meia, o nariz puxamos a meia e prendemos com elástico de cabelo. As boquinhas eu fiz de Eva. Eles nascem cabelinhos se molhar regularmente.
Colando as carinhas.
Quando o cabelinho começou a nascer, ficou grande mas eu perdi a foto.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Mãe, a primeira defensora dos nossos direitos!

Feliz Dia do Advogado!

#repost - 11/08/2017




E como não dizer que nossas mães são nossas melhores advogadas não é mesmo? Como não ser a melhor advogada dos nossos filhos?!

Parabéns a todos os advogados e as mamães advogadas que se dedicam entre prazos processuais e o amor aos filhos!

Estou quase lá! Esse esforço todo vai valer a pena!



Festa despedida. Marido foi para Irlanda!

Fim de semana passado a viagem de anos de sonhos e meses de planejamento finalmente aconteceu. Eu queria despedir dele de uma forma diferente com todas pessoas que ele mais gosta e conversa. São poucas pessoas então foi fácil rs.
Primeiro pensei na decoração e pensei na bandeira da Irlanda que é fácil. São listras de três cores e isso facilitou muito haha.
Fiz bandeirinhas para colocar na parede e outras para colocar nos cupcakes com papel cartão.



Comprei papel couché (acho, mais fino que cartolina) que era o único que tinha as cores do jeito que eu queria, para fazer o painel.
Comprei 3 cores de Tnt cada uma com 1 metro que juntas dava o tamanho de duas mesas.
Eu tinha garrafa de suco de uva de vidro e serviu de enfeite na mesa com palitos de balão dentro.
Depois pensei na comida e pensei em fazer cupcakes com glasse colorido para colocar na mesa com as bandeirinhas.

Pesquisei na internet comidas típicas Irlandesas e escolhi o café da manhã Irlandes que era o que eu conseguiria encontrar aqui na minha região.
O café da manhã típico de lá é linguiça assada, chourisso(linguiça de sangue, esse não fiz), feijão, bacon e ovo.
Eles gostam bastante de purê de batata então como eu ia fazer um café da manhã/almoço eu fiz também.

Claro que ficou "abrasileirado" porque usamos nossos temperos, mas foi muito divertido.

Ele gostou muito e eu mais ainda por ele ter gostado.









quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Passeando na Lagoa Taquaral/ Parque Portugal

Sempre entramos pelo portão principal mas dessa vez entramos pelo portão 2. Em 24 anos morando em Campinas eu não tinha visto a concha acústica, esse portão dá de cara com ela.

Era terça-feira então não tinha quase ninguém, a caravela estava fechada e o bonde também. Tinha bastante coisa em reforma, mas nos divertimos muito. Foi nossa primeira vez sosinhas, e foi libertador ir sem pressa de ir embora.
Identifique as personalidades pelas caretas rs


 A caravela ao fundo
 O chafariz estava funcioando, e com música! Eu lembro de quando eu era bem pequena e foi a última vez que eu vi o chafariz ligado, na época tocava Hey Jude dos Beatles. Nunca mais esqueci.
 Mãe, tira uma foto com minha câmera? kkk



 Os pedalinhos estavam cobertos, a passagem estava em reforma.
 Coitado do elefantinho kkkk


Amamos!

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Frustração na amamentação, você passou por isso?






Primeiramente: NÃO SE CULPE!



Tenho ouvido várias e várias mães sobre não terem conseguido amamentar e uma culpa enorme que carregam.

Mas elas se culpam porque exatamente?

Nitidamente SOCIEDADE!

Pra estimular acabam forçando tanto que não vêm o essencial... a mãe que está ali, a mulher...

Ela não precisa de dicas pra ter bico, pega correta, alimentos pra aumentar produção... não quando elas já estão sem leite, Não quando já estão "fracassadas". Nessa hora elas só precisam de se sentir acolhida, amada, importante...

A produção é tão natural, que só a auto estima da mãe já é suficiente pra aumentar a produção, melhorar a pega (acha que ela não leu nada sobre, Não procurou saber como?)... não estou falando de mães humildes que não tem nenhuma informação, estamos falando de mães que já foram atrás de tudo, mães que tiveram parto natural, mães nutricionistas, mães médicas, mães que entendem exatamente o que está acontecendo... e justamente por isso se culpam.

Mas é justamente por esperarem delas (as que deveriam ser exemplo) que há decepção e onde deveria haver compreensão, tem "ajudas" que acabam atrapalhando ainda mais...

Maezinhas, não se culpem... primeiro passo é tapar os ouvidos, normalmente quem muito fala, não amamenta e não passou por tudo o que vocês passaram.

Vocês sempre vão saber a hora de buscar ajuda (vulgo fórmula), sempre vão saber a hora de entender que há algo errado e não, Não é você que não conseguiu, foi uma série de fatores que te levaram a buscar o melhor para seu bebê, e se o melhor foi a fórmula, vamos agradecer pelo avanço da tecnologia na nutrição e agradecer por ela existir.

E acredite, na maior parte dos casos que a mãe "cede" à aterrorizada fórmula infantil, a produção aumenta, elaa melhoram a relação de amamentação e conseguem prolongar por longo tempo.

E para as que conseguem, parabéns! Feliz dia mundial da amantação!



Para as que tem essa dificuldade, ou até mesmo para as que desistiram, parabéns também! Parabéns duplamente, porque ainda tiveram lidar com as críticas sociais. Amem-se! Lembrem do potencial de vocês e não se culpem! Você sempre saberá o melhor para seu filho.

Qualquer dúvida, estamos aqui para ajudar, a prosseguir ou não. Estaremos sempre juntas

A Nutricionista Camila Teles conta sua versão no post: "O que aprendi com a fórmula infantil" e vale muito a pena ler.

Se precisarem da ajuda dela como profissional aqui estão os contatos:
Site: Dra. Camila Teles

Página: Dra. Camila Teles - Nutricionista Clínica

Instagran: @nutricionistacamilateles


Nos conte como foi sua experiência por aí, pelo e-mail do blog, meu meu e-email pessoal, instagran direct, facebook ou nos comentários. Vamos adorar compartilhar os momentos!

Grandes beijos.



Destaque do dia

FANTASIA DE CARNAVAL - "PRINCESA UNICÓRNIO"

Receba novas postagens por e-mail!

Posts Recentes