segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

O que não te contam sobre a amamentação exclusiva

Quatro meses de amamentação exclusiva e me sinto a mulher mais realizada do mundo!

Eu não sabia como poderia ser capaz! Não imaginava o quanto isso me fortaleceria, mesmo sendo super exaustivo... é como se fizéssemos uma boa caminhada a cada vez que amamentamos. Tem o desgaste físico e até mesmo emocional.

Passamos por uma crise aos três meses (vou fazer um post explicando como superamos) que foi intensa, tinha dias que eu tinha muita vontade de chorar enquanto amamentava.


Mas não sei explicar o quanto isso tem me feito bem. Se existia algo que eu não sabia que poderia me mudar como mulher e pessoa é a amamentação. Sempre achei que era apenas o simples alimentar, com todos seus benefícios para o bebê e etc... Porém me preenche de forma magnifica.

Há coisas que poderíamos saber antes de tudo começar, mas é um saber que por mais que leia em artigos e depoimentos, não aprendemos na teoria, pois cada bebê é único. E essa é a dica mais preciosa que poderiam ter me dado: Entregue-se ao bebê durante a amamentação, conecte-se com ele. Ali, naquele momento único (mesmo que dez ou vinte vezes ou dia, cada uma delas será única)) toda teoria se esgota e aprendemos naquele olhar que as melhores técnicas só podem ser aplicadas se houver conexão.

Eu fiz até curso online além de participar de vários grupos de mães e do grupo virtual de amamentação. Até que um dia eu percebi que todas aqueles conhecimentos não valeriam de nada se eu não me entregasse a ele.

Crenças populares nem sempre são meras crenças, e sim, emocional influencia na amamentação. Foi o dia que eu percebi que banho quente, ordenha, hidratação e a própria sucção do bebê não teria surtido efeito sozinhas. Vou contar a experiência.

Não me recordo exatamente porque eu não estava bem (estamos passando por muitas mudanças ultimamente), e Lucca acordou querendo mamar, ficou uns dois minutos e não saiu uma gota se quer de leite. Eu não sentia o leite descer e ele começou a chorar muitíssimo. Quando tentei ordenhar manualmente e percebi que não tinha uma gotinha descendo o nervosismo bateu e forte (aliado ao choro do Lucca). Fiz tudo o que podia e nada do leite descer (e ele chorando).
Porém tenho uma certa facilidade de me recompor quando o assunto são os filhos, e sabia que eu precisava dos meus cinco minutos. Dei ele ao meu marido e pedi que o levasse longe e o distraísse (apoio é fundamental nessas horas). E me entreguei a um um choro do fundo da alma. Sozinha, me abstendo do mundo. Apenas eu e todo meu interno, todas as dores seguradas durante a gestação e pós parto derramei ali. Foi um choro necessário e rejuvenescedor. Olhei para dentro de mim e me perguntei o porque eu queria tanto amamentar? Porque eu não me rendi a mamadeira? Porque? E a resposta estava ali dentro: porque além de todos os benefícios é na amamentação que libero todos os meus medos, nos momentos de amamentação, o mundo é só nosso, mesmo que esteja em um ambiente lotado de pessoas ou com a mais velha me chamando. A cada gota que escorre é um pouco de medo que sai e a cada gota que fortalece o bebê me fortalece também, como mulher, como mãe!


E essa experiência, ninguém nunca irá te contar. Mesmo que tenha lido esse texto, essa é uma experiência que só teremos se vivenciarmos. E sou muito grata por estar no quarto mês de amamentação exclusiva. E mais grata ainda pela minha rede de apoio, Grupo Gaia de Itu, marido e mãe. Que estão sempre presentes nos momentos mais difíceis. 

O que nunca vão te contar porque não se conta, se vive: você é ainda mais forte que a mulher que pariu! Você amamenta! E é preciso força demais para isso! <3 

Textão de amor líquido <3




Leia também: Bodas de Amamentação


Sigam nas redes sociais:
Facebook - Jovens Mães
Instagran - @jovensmaesblog pessoal @bruna_bronzato


8 comentários:

  1. Aaaaaah que lindo
    eu morro de saudade de amamentar
    Arthur mamou até 1 ano e 2 meses
    aos 4 meses ele começou a ir pra creche então começou a tomar fórmula, mas não diminuiu as mamadas. Parei porque ele estava querendo só leite e não comer as comidinhas, além de acordar 7-8 vezes na noite
    tava muito desgastante e não era mais prazeroso
    mas curti cada momento dos 14 meses que amamentei.

    Bjooos
    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah! a mãe sempre sabe a melhor hora de parar, precisamos estar inteiras e bem para cuidar bem deles.
      Espero conseguir bastante assim também!

      Beijos

      Excluir
  2. Que lindo!
    Não vejo a hora de chegar esse momento, vejo, leio e escuto tanta coisa que não sei o que pensar, acho que só o momento vai me dizer
    Adorei!
    Bjus
    Taty
    Na Casa dos Abrantes
    Canal
    Instagram

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um momento incrível, mas é preciso se preparar para ele. Senão assusta e muitas mamães desistem, é preciso de apoio e muita informação.

      Se precisar de qualquer coisa estamos aqui.

      Aproveite sua gestação <3

      Excluir
  3. Estou vindo aqui pela primeira vez e me deparo com tanto amor!!!
    Lindo de se ver.
    Acho lindo ver mães/mulheres amamentando. Sinal de força, de dedicação.
    Parabéns pelo texto e pelo sentimento, não é pra todo mundo!
    Bjs.
    Blog: juliamodelodemodelo.blogspot.com.br
    Insta: instagram.com/juliamodelodemodelo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Own Julia, obrigada pelo carinho! <3

      Beijos.

      Excluir
  4. Muito legal falar um pouco da realidade de ser mãe, nem tudo é conto de fadas...
    Beijo
    ;)
    Blog| Instagram| Canal no Youtube|

    ResponderExcluir
  5. É a primeira vez que conheço o seu blogue e gostei muito.
    Já estou a segui-la!
    Segue o meu também!

    Beijinhos
    https://100medos22.blogspot.pt/

    ResponderExcluir

Sua opinião é sempre importante! Deixe seu comentario e seu link que contribuiremos a visita de todos com prazer :)
Obrigada pela visita! *-*
Beijos

Destaque do dia

Ser mãe

Receba novas postagens por e-mail!

Posts Recentes

Já Curtiu Jovens Mães no Facebook?