sexta-feira, 28 de abril de 2017

Greve Geral - 28/04/2017 - Sou mãe, e agora?

Tantas e tantas discussões redes sociais afora, muitas infundadas e preconceituosas de ambos os lados, mas no fundo em nome da democracia pode-se tudo né?
Bom, já que podemos falar tudo porque somos democratas, então posso fazer uma greve geral na maternidade também?

Ah, sei lá, cansei de educar filhos pra crescerem e ficarem discutindo política facebook afora sem fundamentos, cansei de limpar bumbum, cansei de trabalhar pra sustentar os filhos e nem se quer ter aposentadoria por esse trabalho de mãe. Ah! Mas não é um trabalho né? É obrigação. Verdade. Eu quis assim. Tenho que pagar sozinha por isso, então.

Cansei de levar pra escola, fazer tarefa de casa, procurar melhor forma de ensinar e educar, cansei da amamentação exclusiva, parto então? Podemos pular essa parte? Natural ou não essa coisa de parir dói, e não é nem um pouco fácil. Cansei. Já inventaram outra forma?

Ah, cansei!

Vamos fazer greve também. 

Porque a igualdade vem vindo pra todos... menos para as mães... AH, mães continuam sendo mães, tendo obrigações de mães, deveres de mães, direitos de mães (ops, mãe não tem direito a nada, só de licença e de fila preferencial), aí depois tudo acaba.

É, não é nosso país, é nosso mundo, ops, é nossa natureza né? 

Escolhemos ser mãe... temos que suportar...

Mas quem sabe se aderirmos a greve geral alguém lembra das mães?


"Momento reflexão, apenas reflita, ninguém vai fazer greve da maternidade e nem deixar de ser o que somos e o que lutamos para ser. Apenas um desabafo. Sei que muitas sentem essa vontade todos os dias. Mas que afastam essa possibilidade rapidamente. Só queremos ser compreendidas. Nem que seja por um dia. Pode ser hoje?"

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Alfabetização: quando vamos ensinar e acabamos aprendendo.


“Os adultos não devem impor censuras sobre o que a criança pode ou deve ler e escrever, nem sobre a idade certa para esse aprendizado”, defende Maria do Rosário Longo Mortatti, professora da Unesp e presidente da Associação Brasileira de Alfabetização. “A criança não precisa pedir ou esperar permissão dos pais ou da escola. Ela pode e deve começar esse aprendizado quando desejar.”


Confesso que me assustei quando ela sabia qual era a letra E, ela tem 3 anos e reconhece as vogais (Ah! Também reconhece alguns números). Meu Deus! Enquanto eu estudo leis ela está estudando também?! 👻



Sei que a escola está tendo um papel importantíssimo para com isso, e mesmo que algumas pessoas achem cedo demais, ela não está fazendo forçada, e nem se quer há nada que torne essa "tarefa" chata.

Leio livros desde a gestação, estudo ao lado dela desde que nasceu, leio livros PARA ela, COM ela e ela lê para mim (é uma fofura! Preciso fazer um vídeo pra mostrar para vocês.. rsrs), então não é nada de anormal, ela apenas se inspira e quer ser igual.

Quando fui procurar estudos para fazer essa postagem a intenção era dar dicas para o início da alfabetização, estabelecer algumas metas e etc. Porém ao colocar na minha realidade e também na realidade das escolas em que já trabalhei, me dei conta de que não existem regras, ou ao menos não deveriam existir.


A única coisa que de fato importa é o incentivo a leitura desde sempre, não porque queremos ter filhos superdotados, mas porque queremos filhos com uma cultura, imaginação, criatividade, amor pelo mundo. A frase que define muito o que penso em relação a isso é do Bill Gates 

"Meus filhos terão computadores, mas primeiro terão livros!" 📚💛




É importante incentivar, nunca cobrar, nem exigir. 
Eles começam "lendo" as imagens, depois estabelecem relação delas com tamanhos e então começam a associar letras com elas; não existe tempo certo nem melhores técnicas, a leitura não deve ser técnica, dever ser prazeroso, como qualquer outra arte a literatura é considerada uma delas. Mas lembre-se: sem exigir! Sem forçar.

E o melhor aprendizado, em qualquer área, sempre será melhor se vindo de bons exemplos. 




quarta-feira, 26 de abril de 2017

Chega de ensinar os pais a criarem seus filhos!

Uau devo estar muito louca par escrever isso ne? hahaha.

Estou na verdade cansada, por tanta cobrança. Nunca no mundo houve mais informações como hoje, há pesquisas sendo finalizadas, pesquisas incríveis, palestras maravilhosas, presencial, ao vivo no facebook, na tv, no rádio, podcasts, snapchat, e tantas outras. São elas que me ajudaram a ser a mãe que eu quero. Eu aprendo mais com o erro dos outros em estatisticas. Aprendi tanta coisa de parto, amamentação, educação, conheci escolas e métodos de ensino que eu nem sabia que existia. Obrigada internet. Mas chega, cansei de você.

Já assitiram Senhor dos Anéis? Eu nunca tinha assistido, e percebi porquê as pessoas gostaram tanto dele. Porque as coisas da vida e principalmente a internet é como aquele anel, nos atrai, nos seduz, ficamos ipnotizados com as coisas que gostamos, e isso nos leva a parte mais horrível do nosso ser, que é a falta de tempo, a sensaçao de inutilidade, de nunca fazer o suficiente.



Cada pessoa é atraida pelo que gosta na internet. E o Google sabe disso e criou os cookies para continuarmos sempre na rede.
Eu gosto de psicologia e de maternidade. E a internet está sempre com notícias novas nessa área. Cada dia descobrimos mais sobre nosso cérebro, do porquê agirmos assim e assado.

Ontem eu estava conversando com meu esposo e ele estava explicando que o cérebro economiza energia. Por exemplo, eu perdi minha carteira em casa, fazia um tempo já, eu nem queria procurar com medo de ter certeza que eu perdi, e quando procurei eu tinha certeza onde tinha colocado mas não estava mais lá. A verdade é que para economizar energia meu cérebro apagou onde eu guardei de verdade e fez uma ilusão de onde eu teria guardado. E eu não queria procurar justamente para não gastar energia.

Ai eu fico tipo: UAU!  Nosso cérebro é mega inteligente! Então agora vou me sentir menos péssima por perder as coisas hahaha.

Mas aí veio outra coisa da pesquisa que ele ouviu no rádio. Dizendo que nosso cérebro é quem procura as amizades, e sempre fazemos amizade com quem é muito igual a gente. E isso nos impede de crescer, pois são as críticas e as discordâncias que nos faz evoluir.

Sabe de uma coisa? (FODA-SE) crescer. A gente vive num mundo hostil, com pessoas sempre prontas para nos criticar, nunca somos o sufieciente para a sociedade nem para nós mesmos e tenho que procurar alguém legal que me critica para ser meu amigo? Eu não quero amigo nem colega para crescer, quero alguém para compartilhar e fazer dessa vida menos triste, rir mais, concordar um com o outro, alguém que me levanta pra cima quando eu errar. A minha auto crítica já me basta!

E ai começei a me encher com tudo, com toda essa POR...CARIA de BLW, CNV, Criação com Apego, Disciplina Positiva, Alfabetização com 3 anos, Metodo Montessoriano, Método Waldorf, Amamentação Livre Demanda e tantas coisas que colocam nas nossas costas assim que as duas listras no teste aparecem.

Eu ainda vou ler essas pesquisas, vou continuar tentando seguir. Mas vou fazer o possível, não vou me cobrar para fazer perfeito, porque o que quero que seja perfeito é a FELICIDADE. Quero me lembrar das alegrias que a vida traz, dos passeios no parque, de soprar a barriga das minhas filhas, quero que cada mês do ano, cada clima e estação me lembrem coisas gostosas, lembranças que enchem meu peito de alegria.

Eu fiz BLW, as gêmeas comem super bem devido a ele. Mas meu motivo maior pra fazer foi por ser mais fácil de cozinhar os legumes inteiros e não sujar o liquidificador. Eu botava as comidas na cadeira de alimentação e ia limpar a bunda da Nicole. Hoje eu teria doenças no ombro de tanto dar papinha na boca, me livrei disso hahaha.

Eu tento seguir CNV(Comunicação Não Violenta), criar com apego, comprei curso de alfabetização, e tenho coisas montessori em casa. Mas eu grito? Sim. As vezes tenho vontade de pegar cabeça das meninas e bater uma na outra. E nem lembro mas acho que já fiz isso. Deixo elas fazerem muitas coisas sosinhas, quero integração delas com a natureza, deixo elas resolverem seus colflitos em casa sosinhas, paro tudo que estou fazendo para ouvir alguma queixa das meninas, mesmo que seja boba. Quando dou meus berros e sei que fiz errado, eu converso com elas, peço desculpas, conversamos em como fazer para não se repetir. Não sou perfeita. ERRO todos os dias, todos os dias tem alguma coisa que eu fiz e não gostei. Mas não me culpo.

Nossa rotina é esmagadora, tira toda nossas energias, é tanta cobrança, nossa, do marido, dos filhos, da sociedade. Vamos ser mais leves, aceitar nossos erros e das outras mães. Nos permitir procrastinar. Adiar as coisas por um dia. Servir bolo, pastel, torta na janta, só para ter mais tempo com os filhos.

Esses dias comemos pastel de almoço. Foi o primeiro dia depois de tantos que consegui brincar com as meninas. Cozinhar toma um tempo enorme da gente. Ninguém vai passar fome nem desnutrir por um dia fora do programa.

Ame-se. Mime-se. Curta cada fase do seu filho, a cada fase mais dificil tem uma parte de VIDA mais gostosa.

Primeira aula de ballet

#REPOST

Dia Internacional da Dança chegando! Então vamos repostar aquilo que mostra nosso amor e encanto a essa arte! Para as mães bailarinas ou mães de bailarina, mandem-nos suas fotos e experiências! Adoraremos compartilhar ou apenas conversar sobre esses momentos encantadores!


Apenas a levei para experimentar, se ela gostasse eu faria a matrícula, senão não iria forçar. Mas pelo visto, foi gostoso estar na aula.. 

O importante é não forçarmos nossas crianças a nada. Nem sempre porque gostamos a criança vai gostar também. 

Mas bem lá no fundo eu esperava que ela gostasse.. rsrs

Foi dela. Foi natural. Está matriculada! 




segunda-feira, 24 de abril de 2017

Festa - tema céu encantado

Estamos a escolher o tema do chá de bebê do Lucca, e ainda estou em dúvidas. Esse foi o aniversário de 1 ano do Caio com o tema céu encantado , um tema que tem estado super em alta e que estou adorando.
Pensei em fazer esse tema, o que acham?








Me inspiro também nas ideias do chá que já ajudamos a realizar com essa tema, porém de menina -  Chá da Beatriz - Tema céu encantado


Mas também fiquei em dúvida em fazer com o tema Príncipe (Reino Encantado), já fiz o aniversário  de 2 anos da Lara com essa tema - Reino Encantado - 2 anos da Lara, o que acham?

Precisando de opiniões.. O que fizeram por aí?!

domingo, 23 de abril de 2017

Cinematerna - Os Smurfs e A vila Perdida



"Smurfette não está contente: ela começa a perceber que todos os homens do vilarejo dos Smurfs têm uma função precisa na comunidade, menos ela. Indignada, ela parte em busca de novas descobertas, e conhece uma Floresta Encantada, com diversas criaturas mágicas. Enquanto isso, o vilão Gargamel segue os seus passos."













Por aqui adoramos cinema, costumo sempre levar a Lara nos lançamentos dos desenhos porque ela se diverte (mais fala do que assiste...rsrs)
Porém nem todo desenho foram feito para criança da idade dela ( três anos), então alguns ou são entediantes demais, ou chatos demais.
Ainda assim ela adora ir para comer pipoca, beber suco e ver trailers (ela ri muito, não sei pq.. rsrs)
Foi um filme legal, gostei e até chorei no final (sensibilidade da gestação, hehe), mas ela dormiu! kkk Foi a primeira vez que ela dormiu em um filme, Talvez só estivesse cansada demais. rsrs

Mas recomendo para mães com filhos da mesma idade levarem, eles vão gostar! É uma graça 💙



Curiosidades:

Filmes anteriores

Precedido por Os Smurfs (2011) e Os Smurfs 2 (2013).

Opção

John Goodman chegou a ser considerado para dublar o Papa Smurf.

Novidade

O filme apresenta um novo personagem: Nosey Smurf.

A princípio

O título original do filme seria Get Smurfy.

Data de lançamento adiada

Inicialmente, o filme seria lançado em 14 de agosto de 2015, mas, depois de diversas mudanças, foi determinado que ele estrearia em 07 de abril de 2017.

Diferente

É a primeira vez que Gordon Ramsey não interpreta um personagem com uma personalidade semelhante à sua própria.

Do mundo pop

A Smurfette dos dois filmes anteriores foi dublada pela cantora Katy Perry. Neste filme, é Demi Lovato quem dá vida à personagem.

Coincidências

Todos os atores que foram o Gargamel ao longo dos anos interpretaram outros vilões: Paul Winchell já foi Dick Dastardly; Hank Azaria deu voz a Carlos em Hop: Rebeldes sem Páscoa (2011); André Sogliuzzo dublou Tai Lung em Kung Fu Panda: Lendas do Dragão Guerreiro (2011); Rainn Wilson foi o Alien em Monstros vs Alienígenas (2009).

Mudanças

Nos cartoons dos anos 1980, os Smurfberries eram vermelhos. Já no live action, já foram azuis.

Histórico

Sofía Vergara, que aparece em Os Smurfs (2011), é a esposa de Joe Manganiello, o dublador de Hefty Smurf neste filme.



sábado, 22 de abril de 2017

E se eu quiser ter sonhos?

Não posso porque sou mãe?


Quando me vejo correndo atrás dos meus sonhos pessoais e tento conciliar com a maternidade, parece que sou um bicho de outro mundo que não seguiu o "caminho que deveria", que é lógico pra quem é mãe: largar tudo pra ficar com os filhos.
Mas gente, acham mesmo que largar tudo é fazê-lo pelos filhos?
Óbvio que eu queria estar muito mais tempo com a Lara. Com certeza! Acredito que seria até mais fácil, visto a vida corrida, desgastante que tenho. Mas e aí? Três anos depois que ela nasceu o que eu seria? Ainda apenas mãe?
Não é mais gratificante eu ser mãe com a aprovação na primeira fase da OAB, fim da faculdade de Direito, mais madura, com novos conhecimentos de mundo e pessoas, blogueira, e tudo mais?
Não posso negar que eu adoraria MESMO ter ficado mais tempo com ela, mas aí paro e vejo que tem MUITAS mãe que ficam o tempo todo com a criança mas a criança está lá, na frente de uma TV o tempo todo.
É isso mesmo que é ser mãe? Estar em casa cuidando da casa e das crinaças porque a sociedade diz que tem que ser?
Não foi o caminho que escolhi para mim, escolhi ser uma mãe diplomada, e isso é difícil, alguns veem como largar os filhos, outros veem como guerreira. Mas eu vejo apenas como algo natural de quem tem sonhos: correr atrás deles, mas JAMAIS deixar de lado as coisas boas por causa deles.
Nessa jornada aprendi a tapar ouvidos, fechar os olhos, cruzar os braços para muitas coisas, pessoas e comentários, aprendi a confiar em mim mesma, não só como mulher, mas como mãe. Busquei ser cada vez mais presente, e hoje me orgulho de ser a "mamãe fofinha" da Lara, que ela tem orgulho de dizer para todo mundo, consegui isso lutando pelos meus sonhos, POR ela e COM ela.
Vou chegar longe, porque sou Jovem e Mãe, sou menina, sou mulher, sou mãe da Lara, à espera do Lucca, mas com a vida inteira para viver, não só POR eles como dizem que tem que ser, mas COM eles. É isso que escolhi, viver tudo que puder viver, fazer tudo que puder fazer, incluindo os filhos sempre. Buscando os sonhos sempre. Pois tenho certeza que é o que eles esperam de mim, desde que ao chegar eu esteja a dispor deles para brincar de esconde esconde, cabaninha, contar e ouvir histórias. 

E isso me completa! 




sexta-feira, 21 de abril de 2017

Outono. Porque eu adoro Outono.

Gente, quando começa mudar o tempo de verão para outono eu começo a surtar porque geralmente nessa época é que começa os ataques de asma das meninas.
Mas graças a Deus e a homeopatia nós estamos bem esse ano. O que nos leva ao titulo: Por que eu amo outono?

Esses dias eu tava com uma sensação tão deliciosa, um calor no peito e eu sabia que era devido ao clima, posição do sol, barulho do vento e não lembrava porque. Passei dias pensando e estou descobrindo devagar.

Nicole nasceu em março, mas quando ela tinha semanas de vida o outono chegou. Era início de Abril. Nossas primeiras consultas ao pediatra foi no outono. Quando ouço o barulho do vento eu me lembro carregando aquela bebê toda enrolada na manta, do meu nariz gelado, do corpinho quente dela, do carro com janelas fechadas, e o barulho do transito lá fora. As pessoas agasalhadas se encondendo do vento.

A tardezinha nós iamos dormir, e ficava eu e ela naquele quarto gelado, de meias e luvas, embaixo do cobertor. A luz que entrava no quarto era pouca por causa da cortina verde e do tempo nublado. Ela dormia tranquila e eu com frio pensava se ia ou não tomar banho enquanto ela respirava profundamente. O barulho do vento na janela me convidava a ficar mais um pouco ali deitada a observando.

Lembro também de quando engravidei das gêmeas, e minha barriga crescia nesse clima frio. Minhas camisetas de frio custavam a cobrir a barriga toda. Então eu preferia ficar com as camisetas do meu marido, com as blusas dele e calças de moletom. Ficava eu e a Nicole naquela casa. Ela tinha feito seu primeiro aninho e estava graciosa e maravilhosa como toda criança de um ano de idade. A cada dia que ela ficava mais fofa, mais eu tinha certeza que nós seriamos ótimas amigas daqueles dois seres dentro de mim.

Nicole toda fofa de touquinha, nariz vermelhinho e poucos dentinhos na boca. Falava uma porção de pequenas palavrinhas e eu tentava colocar aquele vestido que quase não me cabia mais.

Lembro das nossas consultas ao pediatra quando as gêmeas tinham uns 4 meses. Nossos raros passeios noturnos.E com 6 meses eu lembro do barulho do vento na janela da nossa própria casa. Nosso primeiro ano juntas, nosso primeiro ano na NOSSA casa. Dos edredons que eu colocava na cozinha para aquelas bebês ficarem por perto enquanto eu assava um bolo, e de como rapidamente elas estavam fora dele.

Lembro delas tentando engatinhar, com aquealas meinhas escorregadias que logo a mamãe comprou as antiderrapantes para passearem pela casa.

O outono tem cheiro. Tem cheiro de vida. Tem cheiro de frio, mas também de calor humano.
As memórias ficaram presas no clima, no barulho do vento, no sol quentinho junto com o vento gelado.
E eu espero e torço para que essas lembranças nunca saiam da minha mente. E que a cada outono novas lembranças entrem e deixem nosso frio ser mais quente.

Aline Viana.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Nariz escorrendo, tosse, peito chiando e gripe? O que usamos por aqui...

Para coriza:

200ml de água
1/4 cebola
3 dentes de alho
1 rodelinha de gengibre
Casca de uma laranja
4 colheres de mel ou a gosto

Modo de fazer:
Ferver água. Adicionar todos os ingredientes menos o mel. Desligar o fogo e deixar por infusão, tampado, por pelo menos 5 min. Deixar amornar, coar e adicionar o mel.

Modo de usar: 
Tomar 3x ao dia.
Pode dar na seringa ou no copinho, ou colher. O que a criança preferir. Eu dou pras meninas 10ml na seringa. Começei a dar essa quantidade com 2 anos e meio. Mas não tem quantidade exata. O melhor é tomar. Se quiser mais, dá mais. É natural, não faz mal.

Importante:

  • Não colocar o chá quente com o mel pois pode perder algumas propriedades do mel.
  • Não colocar o suco da laranja no chá. A laranja perde todas propriedades quando quente e tem pouco tempo de conservação. 
  • Mel é proibido antes dos dois anos.

Conservação: O chá armazenado na geladeira pode durar 5 dias. Se quiser aquecer antes de oferecer é bom, mas aqueça apenas a quantidade que vai usar.

Informações adicionais:
Cebola e mel trabalha na parte respiratória superior, descongestionando. Nariz e cavidades.
Casca da laranja trabalha na parte pulmonar, ajudando a diluir o catarro.
Gengibre é anti-inflamatório. Ajuda na corpo inteiro que queira inflamar. É previnir antes que  a inflamação vire infecção.
Mel trabalha na parte da garganta, desinflamando.

Importante junto com o chá manter bons hábitos alimentares. Evitar alimentos inflamatórios como leite. E apostar nas frutas, folhas e legumes.
Uma nutricionista pode falar melhor que eu mas se a criança está doentinha e toma leite bem. Eu acho que esse leite pode estar piorando ao invés de ajudando.

Suco para gripe:

1 cenoura descascada
2 maças com casca
Suco de 1 limão
Água para ir colocando no suco. Não colocar muito.

Modo de fazer: Bater tudo no liquidificador. Adicionar água se necessário.

Modo de usar: É melhor tomar sem coar. Mas se a criança resistir coe, porque fica uns pedacinhos. Fica um sabor muito gostoso. Pode dar na seringa ou no copinho.Do jeito que a criança preferir.

Tomar 3x ao dia até melhorar. Esse tem pouco tempo de conservação. O bom é tomar na hora. Mas acho que pode durar umas 24h.

Informações adicionais:
Cenoura: contém betacaroteno, é antioxidante, ou seja, limpa o organismo e ajuda na imunidade.
Maça: É antioxidante e equilibra o intestino.
Limão: Também é antioxidante e combate infecções.
Caso queira reduza a receita pela metade, caso for beber pouco.

Esses são o que mais uso em casa. O chá e o suco. Usando 3 dias de chá, cessa o nariz escorrendo das meninas. Do suco dois dias já há melhora significativa na gripe, dando forças para o próprio corpo combater.

Aline Viana.

Filhos de idades próximas

As pessoas quando me veem com minhas filhas e percebem que tem quase mesmo tamanho e idade até perguntam se são trigêmeas rs. As gêmeas da mais velha tem um ano e 9 meses de difernça.
E o principal e sempre dito é: " É bom que cria tudo junto".
Bom...eu não posso dizer nada que eu não saiba, antes de falar algo eu sempre pesquiso antes ou me informo muito, caso contrário não posso ( a meu ver) opinar sobre o assunto. Então eu não sei como é ter filhos de idades diferentes, e se é ou não mais difícil que criar "juntos".


O que eu posso dizer sobre ter filhos de idades próximas?

- Roupas e sapatos é tudo reaproveitado nos filhos menores.
- Brinquedos são sempre compartilhados.
- Banho, almoço, cafés, jantar, passeios, são feito tudo juntos.
- Eu sigo uma rotina estrita, com horários para dormir, tomar banho, e comer.( Mas são estimativas, tipo banho antes de dormir e não exatamente as 20:00 porque sou adulta e odeio rotinas).
- Consigo reaproveitar aquelas frutas mordidas.
- Bolo acaba na mesma refeição, geralmente ainda quente.
- Todo passeio tem que levar ou comprar algo para comer. E não é pouco.
- Elas sempre estão comigo, salvo dias que passeiam com a avó.
- Quando vão dormir na casa da avó só ficam se a mais velha ficar, ou a avó fica com as 3 ou eu.
- Elas brigam. Chutes, tapas, socos, empurrões, é a cada 10 minutos.
- Elas brincam, nesse intervalo de 10 minutos.
- Elas dormem no nosso quarto, coloco colchão de berço no chão do meu quarto, mas todo dia acordo com pelo menos um na nossa cama. Teve dia que acordei procurando uma delas, caçei na casa inteira e encontrei encolhida do lado do pai em posição fetal porque não tinha espaço para ele. Estava as 3 na cama.
- Hora do banho é hora dos acidentes, experimenta três crianças ensaboadas brigando por um brinquedo, puxando cada uma de um lado, em cima de um chão molhado e liso.
- Elas brigam por cor de toalha, cor de sapato, modelo de roupa, desenhos que querem assistir, quem fica com mais peças do brinquedo, quem fica na frente do computador.
- São competitivas, quem chega primeiro para escovar os dentes, lavar as mãos, comer, pegar o cachorro, entrar no carro, entrar na sala de aula, sair da sala de aula, subir no balanço, quem não comeu tudo (porque ninguém come tudo).
- Uma estimula a outra, se uma experimentar algo novo quase sempre as outras experimentam.
- São empáticas, sempre que uma delas estão doentes elas se doam pela irmã, ajudam, dão beijos, tentam fazer silêncio, até (claro!) o momento que sentem que a mãe está dando mais atenção à outra e começam a dizer que estão doentes também.
- Me ajudam a manter a casa organizada, mas são as responsáveis pela desorganização também. Então passamos o dia bagunçando e arrumando.
- Coragem. Elas são muito mais corajosas juntas.
-Elas frequetemente choram todas juntas. Eu diria 1 vez por dia.
-Elas me disputam de várias formas. Muitas vezes disputam quem fica com a melhor parte do colo. Eu fico tipo assim:

- Meus pensamentos diários são assim: " Como é bom ter filhos, vou fazer mais umas 10 dessas!" e "Meu Deus! Porque eu quiz ter filhos! Nunca mais tenho!" Isso varia muito, geralmente troco de um pra outro em menos de um minuto.

Essas são umas das coisas que é possível na idade delas. Mas tenho muita vontade de ter mais filhos daqui uns dois anos. A diferença de idade será outra e outro desafio.

Você que tem filhos de idades próximas fale da sua experiêcia para a gente!
E quem tem de idades diferentes, conta pra mim saber o que esperar hahaha #medo!

Aline Viana.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Como anunciar a gravidez para a família

A chegada de um bebê é sempre muito especial, e quando é esperado e desejado, quando descobrimos queremos contar para o mundo, não é mesmo?

Mas por aqui, na descoberta do segundo filho, quisemos algo especial que marcasse, pelo menos para os avós.

Então aguentamos firme depois de descobrir pelo teste de farmácia a gravidez, confirmamos pelo de sangue e no fim de semana fomos revelar aos avós.

Levamos um vaso de flor, como quem não quer nada, com um bilhetinho escrito assim:

"Você ainda não me conhece, mas sei que vai me amar muito como papai e mamãe. Nos encontramos daqui alguns meses.

Beijos, vovó."

Pensa numa felicidade da minha mãe? Rsrs. Minha sogra também ficou muito feliz, e a pergunta das duas foi: é verdade? (gente, claro que é, ou acha que eu ia comprar um vaso de flor e bilhetes assim pra fazer graça? kkk brincadeira, essas coisas não falamos rsrs).

Mas pequei ao não tirar fotos e nem filmar a reação delas. Se puderem fazer isso, façam! Vai ser demais.

Vou deixar aqui outras ideias que encontrei no google imagens, e também um vídeo no qual nos inspiramos.

Se eu tivesse visto antes teria feito esse, porque amei!








Tem também as ideias para anunciar nas redes sociais:





Nas redes sociais anunciei criando um acontecimento: "esperando um menino" no dia do chá revelação com as fotos do chá (devo um post sobre o chá para vocês, rsrs).




Para anunciar para o resto da família, eu fiz uma foto da Lara segurando uma plaquinha: "Promovida à irma mais velha". Porém não faço ideia de onde está a foto para poder compartilhar aqui com vocês. :( 

Esse é o vídeo que nos inspirou a como contar para os avós:




E por aí? Como anunciaram a gravidez?

domingo, 16 de abril de 2017

O que aprendi com a fórmula infantil

Por Camila Teles,mãe da Beatriz, nutricionista.

"Beatriz está com 2 meses, a cerca de uma semana estava irritadiça e chorona a tardezinha, nada a satisfazia, e queria mamar de meia em meia hora. Também não estava dormindo bem a noite, ficava muito agitada e "resmungando" durante o sono.

Então, na consulta de rotina com a pediatra relatei esse ocorrido.

Eu já sentia e sabia o que estava por vir, talvez por ser nutricionista, talvez por um instinto maternal, mas antes de tomar a decisão final quis ouvir a opinião da pediatra.

E aí ela me pergunta: você sente suas mamas ficarem cheias?

Eu respondi: não sinto mais

Pronto, ali tive a confirmação de que era realidade aquilo que eu tinha certeza por ser nutricionista, mas não queria acreditar por ser mãe.

Em seguida a pediatra disse que iria avaliar a Bia pra ver o que faríamos e pra minha infelicidade ela havia perdido peso de duas semanas pra cá (não quis a pesar em casa nessa semana pois já imaginava isso).

Enfim a pediatra disse: bom mãe, na minha opinião acho que seria necessário complementar seu leite com fórmula 2x ao dia, sendo a tarde a noite.

Na hora eu concordei tranquilamente com aquilo, mas ao sair dali me peguei pensando: o que eu fiz de errado? Poxa vida, onde errei?!? Como isso pode acontecer logo comigo que prezo tanto pelo aleitamento materno exclusivo!

Nos momentos seguintes eu me martirizei, pois queria achar o meu erro. Sera que era devido ao meu estresse? Ou então a alimentação que na última semana acabou se conturbando devido a correria do dia a dia? Será que simplesmente não era capaz?

Pois bem, a noite chegou e Bia chorava ao mamar, "brigava com o seio", a luta havia começado.

Então fui preparar a fórmula, pedi ao meu marido que oferecesse a ela, pois eu não conseguiria. Com lágrimas nos olhos vi ele dando a ela a mamadeira. E pra minha surpresa ela aceitou super bem, bebeu apenas 30ml da fórmula e dormiu como um anjo. Chorei sim, mas percebi que aquilo não era o fim do mundo. O fato de não poder oferecer a Beatriz o aleitamento materno exclusivo não me tornava menos mãe, muito pelo contrário, eu seria menos mãe se não admitisse que aquilo estava acontecendo e não oferecesse a ela a fórmula como alternativa. E eu aprendi muito com a fórmula, não no sentido técnico como havia aprendido na faculdade de nutrição, mas num sentido psicológico, emocional.

A fórmula me ajudou a perceber que preciso primeiramente cuidar de mim para poder cuidar da Beatriz.

A fórmula me ajudou a ter mais tempo pra mim e assim minhas mamas "encheriam" novamente.

A fórmula me ajudou a ver como foi importante para meu marido poder "amamentar" nossa filha também.

A fórmula me ajudou a crescer profissionalmente, pois senti de perto o que sente aquela mãezinha que chega em meu consultório triste por não poder oferecer ao seu bebê o aleitamento materno exclusivo, e perceber como essa mãe é guerreia, é forte!

A fórmula me ajudou a perceber que posso não ser a melhor mãe do mundo, mas posso ser a melhor mãe que a Beatriz poderia ter!

E sabe aquele olhar que recebemos dos nossos tesouros quando amamentamos? É o mesmo olhar que recebo quando ofereço a mamadeira! É o olhar mais lindo e verdadeiro do mundo!

Mães de mamadeira, Mães de fórmula, Mães guerreiras, Super mães! Sintam-se abraçadas!"






Camila Teles

Mãe da Beatriz e Nutricionista

Site: Dra. Camila Teles

Página: Dra. Camila Teles - Nutricionista Clínica

Instagran: @nutricionistacamilateles


Leia também: E se eu não amamentar?

sábado, 15 de abril de 2017

# da semana - E se ela quer ser princesa?

Essa semana o post de reflexão no instagram foi o seguinte:


Vejo muitas críticas por aí sobre as meninas serem princesas, como se nenhuma delas quisessem ser. Acontece que a Lara QUER ser princesa. É dela Isso, ela é meiga e delicada a todo tempo. Gosta de tiaras e vestidos com brilho. Brinca de casinha e Castelo. E não há mal nenhum em ser assim.

Assim como não há mal em ser menina brincalhona, Que gosta de subir em árvore ou brincar no Rio.

Apenas precisamos parar de criticar o outro e viver da nossa forma. 

Parar de criticar as que não são princesas e não criticar as que são. 
Afinal, crianças são puras, porque temos que tirar a pureza delas?



O fato é que ela gosta de ser assim, E não é porque andam criticando por aí que ela tem que deixar de ser. Desde que seja educada, ame o próximo, respeite as pessoas e seja uma pessoa melhor para o mundo, Ela vai sim usar tiaras e vestidos de princesa. Porque ela não precisa de padrões, ela precisa apenas ser respeitada pelas escolhas próprias e pelo pequeno jeito delicado e meigo de ser 😍




Bom, essa é a minha realidade, o que não impede a sua, claro. Mas que incomoda as vezes as pessoas criticarem tanto, como se fosse ruim ser assim. E assim como estamos tentando "diminuir preconceitos" fazendo as meninas se sentirem bem sendo "meio moleca", não vamos fazer isso criando preconceito com as que são "princesas" né?  Até porque a própria Disney tem princesas como Moana, Mulan, Pocahontas que não são nada tradicionais e nem por isso perderam espaço na maior fábrica de princesas do mundo.

E por aí? Como suas filhas são?

A minha está uma princesa assim:


sexta-feira, 14 de abril de 2017

E se eu não for a mãe perfeita?

Tudo bem!

Primeiro porque ser mãe perfeita é uma imposição da sociedade e não doa seus filhos.

Não são eles que pedem pra que você seja tudo o que "ensinam" por aí.

Claro que queremos dar a melhor educação, a melhor alimentação, melhores ensinamentos... Mas as vezes só queremos ser nós mesmas. As vezes estressamos, as vezes eles querem doce e deixamos, as vezes não queremos arrumar nada.  As vezes simplesmente queremos ser louconas.

E daí se formos?

A casa não vai cair, os filhos não vão morrer, não se tornarão mal criados da noite pro dia.

Sabe quando começamos a fazer dieta restrita e não podemos comer doce, nem refrigerante, etc? Chega uma hora que a gente só quer isso. E tudo bem se um dia você sair da dieta. Tudo bem você comer um chocolate
 O que vale mais?

Passar vontade, se estressar toda e perder oportunidades de estar bem emocionalmente em nome de uma dieta?

Ou com nossa comparação: em nome nome se ser a mãe perfeita, Que nunca sai da linha e que segue todas as "melhores" formas que a internet está ensinando se ser mãe?

Esqueça isso! Tudo bem se um dia você não for assim, Tudo bem se não for assim todos os dias.

O que de fato vai importar vai ser o amor diário que você deu, o respeito que você ensinou, o trabalho honesto que você cultivou... isso é o que realmente precisamos para p mundo: crianças que se preocupem com ele, Que cuidem dele, Que façam dele um mundo melhor.

E isso você consegue ensinar quando está bem consigo mesma. APENAS quando está bem consigo mesma.

Então tudo bem se não formos perfeitas, desde que o amor supere as dificuldades e ao final possamos dizer que conseguimos.

Não desista, mas também nao se mate, Não se culpe, Não se esgote.

E pra tudo estamos juntas!!!

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Sou doula. O quê?

Doula é uma ocupação muito antiga, mas faz poucos anos que foi nomeada como "doula".

O nome Doula vem do grego que significa: Servir a mulher.

Nós eramos irmãs, amigas, mães, que ajudavam as parturientes a parir seus filhos. Aquela que aquecia se estivesse frio, refrescava se tivesse calor. Que cozinhava para a recém mãe. Que segurava sua cabeça e oferecia um copo d'água.

Hoje temos muitos cursos para doulas no Brasil, no Estado de São Paulo tem um projeto de lei para aceitarem as doulas nos hospitais. Na cidade de São Paulo e Sorocaba foi aceito e já está em vigor agora em 2017. Santa Catarina e Blumenal também já possui essa lei.

Mas, o que é doula nos dias de hoje?

A presença da doula hoje reduz chances de episotomia, cesárea, ocitocina, e tantas outros procedimentos invasivos que causam medo e traumas na parturiente.

A doula fornece série de alivio de dor não farmacológico. Massagens, apoio emocional, rebozo, bola, chuveiro, imersão na água. Isso durante o parto.

Antes do parto, a doula faz acompanhamento durante a gestação tirando todas as dúvidas possíveis. Ouvindo seus medos, dando uma palavra amiga nos momentos difíceis. Esclarecendo sobre o parto, suas possibiliades, as realidades do parto no Brasil, procedimentos que ela pode e não pode optar no momento do parto. Plano de parto. Plano A, Plano B. Preparando para a amamentação.

Após o parto a doula pode acompanhar a primeira hora do bebê com sua mãe, orientar na amamentação, na conexão e vínculo dos dois. Ou apenas estar ali para uma água ou ouvir a mulher.

O parto é um caminho estreito e solitário. A mulher passa sosinha, ela é a protagonista do seu parto. Ela diz qual posição quer ficar, até onde aguenta, ela anda, ela senta, come, bebe, é um momento dela em maior conexão com seu feminino. É ela e seu bebê.

Mas a doula é aquela mulher que fica no portal do nascimento, no fim do caminho, dizendo: "você consegue" "vamos! você é forte". Ou apenas olhando nos olhos da parturiente. Ela olha nos olhos da doula e enxerga a sua própria alma, e vê em si mesma forças para continuar. E ela consegue.

A doula pode acompanhar parto domiciliar e hospitalar. Pode acompanhar cesárea, quando esta é necessária. Por que nesse momento há muitas emoções naquela mulher, um sentimento de frustração por não ter conseguido, mesmo que é a melhor solução para ela e seu bebê. A cesárea pode ser fria e solitária, a doula ajuda esse momento ser acolhedor para a mulher.

O hospital muitas vezes é frio, há muitas mulheres parindo para poucos enfermeiros e obstetras. Alguns deles não são humanizados, mesmo em um hospital humanizado. A pressa deles causa medo e anciedade liberando adrenalina na parturiente, uma vez a adrenalina correndo pelo sangue dela fica muito dificil a ocitocina agir. A ocitocina é responsável por caminhar o trabalho de parto, ela é natural, ela é o hormônio do AMOR.

A doula oferece esse amor acolhendo a mulher, ajudando ela a respirar e sentir que o momento mais esperado de 9 meses chegou, e ela estará lá para ajudar para que seja a melhor experiência possível.



Se doula fosse remédio, seria anti-ético não receitar.

Aline Viana.
Doula.


quarta-feira, 12 de abril de 2017

Gestação prolongada é depois das 39 semanas?

Muitas dúvidas começam nos coçar no fim da gestação. Medo e anciedade dormem e acordam com a gente. Um dos medos é " E se passar da hora?". Então vamos começar tentando dar uma pincelada de forma simples o que é gestação prolongada.



Quanto tempo dura uma gestação?

42 semanas. A DPP (Data provável de parto) é uma estimativa até 40 semanas. DATA PROVÁVEL, uma estimativa. Mas o esperado de uma gestação humana tranquila, de baixo risco é até 42 semanas. 9 meses completos, ou 10 meses lunares.

Cheguei nas 39 semanas. O bebê está pronto?

Nem sempre. Se ele estiver pronto vai iniciar o trabalho de parto. O pulmão do bebê é um dos últimos órgãos a ficar pronto, quando ele está amadurecido o trabalho de parto inicia.

Cheguei nas 40 semanas e nada de entrar em trabalho de parto. É normal?

Sim. Relaxa, respiraaaa.

Como falado acima a gestação de baixo risco pode ir até 42 semanas, e pode ir até mais também! Vejam mais abaixo.

Então mamães gestantes, o trabalho de parto não tem obrigatoriedade de inciar na DPP, ele pode começar antes e pode começar depois.
Até porque existe muito erro nessas contas, se você contar a partir do último dia da mentruação é quase certeiro. Mas pela ultrassom eu já vi erro de 4 semanas! Isso mesmo! 1 mês! E mesmo pela mentruação, tem mulher que não lembra direito a data. Então pode haver muita confusão.

O melhor mesmo é esperar pelo trabalho de parto. Mesmo que você não queira parir e queira uma cesárea.

Vejam esse artigo do Obstetra Dr. Brauzio Zorzella: Quem inicia o trabalho de parto? que explica como inicia o trabalho de parto quando o bebê está pronto.

Ah mas meu Obstetra disse que com 39 semanas o bebê está pronto e já pode agendar a cesárea.

Eu aconselharia a fugir dele. As possibilidades do bebê precisar de UTI são enormes. Por experiência minha em três gestações que acompanhei de amigas, 2 delas o bebê ficou 3 dias na UTI por insuficiência respiratória, a outra a bebê nasceu de baixo peso e baixa estatura. 2 delas tiveram amamentação prejudicada pois o bebê não estava pronto. Isso falando de experiência própria, mas estatísticas são relativamente identicas.

Uma amiga recente que tivemos o prazer de doula-la virtualmente rs. Ela morava longe e somos amigas, fiz o máximo que pude enquanto ela estava na fase latente do parto. Foi incrível. Ela pariu em uma casa de parto com obstetra humanizada. Ela estava de 42 semanas. No capurro ( série de observações que verifica a idade gestacional real) deu que a gestação tinha apenas 37 semanas e alguns dias! Se ela tivesse com um médico não humanizado, e feito cesárea com 39 semanas, o bebê teria nascido prematuro de apenas 34 semanas!

Gestação prolongada então, quando começa a contar?

Após 42 semanas.

Como assim? A gestação pode ir além das 42?

Sim. Pode, mas após as 42 semanas há preocupações como insuficiência placentária. Mas não sei esclarecer assim como os links abaixo podem fazer.

Veja mais aqui. E aqui: Até quando esperar? do Dr. Brauzio.

[...]dos 25 bebês que passam das 42 semanas normalmente, 16 chegam às 43 semanas e um chega às 44 semanas. E nesse ponto nos deparamos com um dos grandes objetivos do pré-natal: acompanhar a gestante de perto para avaliar o estado de saúde da mãe e do bebê, e assim esperar com tranquilidade e segurança. Evitando cesáreas desnecessárias.[...]

Texto retirado do post do Dr. Brauzio: Até quando esperar?

Então relaxem, respirem, curtam o barrigão que pode estar difícil de curtir agora no final rs. Mas quando o bebê nascer, você será outra mulher, será uma mãe. Uma mãe e nunca mais estará sosinha, nunca mais será mãe de apenas um, ou de dois. Mas será de um, dois, três ou mais filhos. Logo logo chega uma das partes mais difícieis, amamentação e puerpério. Então, relaxaaaa rs. 

Vejam esse post sobre puerério do nosso blog:

Beijões, uma boa hora para você e seu bebê, e desejo uma lua de leite maravilhosa para vocês.

Aline Viana
Doula.

terça-feira, 11 de abril de 2017

Deschupetação - Como foi por aqui



Ainda não descobri porque exatamente ofereci chupeta a ela, mesmo sabendo dos malefícios (talvez um daqueles problemas de mãe de primeira viagem de acreditar em tudo e em todos). Mas independente da discussão do bom ou ruim vou contar pra vocês como foi tirar a chupeta por aqui (foi aquele momento que você se arrepende profundamente de ter oferecido), eita coisa difícil de se fazer! Provações da vida de mãe. Quase um vestibular pra saber se você pode passar para a próxima fase. rsrs

Me deram milhares de dicas, mas nenhuma delas funcionou. O que deu certo de fato foi o diálogo direto. Por várias e várias vezes, todos os dias, sem cobrar, sem forçar, estavamos nós conversando sobre o efeito da chupeta nos dentinhos, que ela já estava uma mocinha, que não precisaria mais. (Isso claro, depois de tentar as técnicas de furar chupeta, jogar fora, aguentar choro [acho desnecessário aguentar choro se uma conversa resolve]).
Então como que por mágica, um dia ela mesma "criou" a fada da chupeta e disse que iria deixar no carro porque ela ia vim buscar e ela não poderia mais chupar (olhei para ela e fiquei tipo: sério?!), e foi simples assim. A fada veio, levou a chupeta, não teve choros e sempre que ela pedia de novo (foi por uns três ou quatro dias), eu repetia a história que ela mesma tinha me contado e assim foi a aceitação. Eu tive que aceitar que é o tempo dela e que crianças entendem o que falamos, só precisamos respeitá-las (Ah! e fingir que as pessoas não existem, porque palpites maldosos e que não acrescentam em nada é o que não falta).


E por aí? Como fizeram? Estão nessa fase?

Compartilhe conosco.

Beijos.



segunda-feira, 10 de abril de 2017

Não tenho TV em casa e como isso impacta no nosso cotidiano familiar

Já pensei várias vezes nos programas que perco como Discovery que amo!

Mas pesa muito mais os programas infantis.

Não concordo com todos os desenhos e eles passam sem parar. Isso na TV paga. Na outra passa todos os tipos de programas de todas as faixas etárias.



Mas o pior mesmo são as propagandas. Passando de 8 em 8 min em média. Influenciando qual tipo de brinquedo minhas filhas devem ter, qual comida devem comer.

A cada lançamento da baby alive tem várias crianças adoecendo de vontade. Qual a razão? O brinquedo ou a expectativa que a mídia coloca nele?

Vocês pedem se surpreender mas minhas filhas nem sabem o que é baby alive, conhecem ovos de páscoa porque vão ao mercado. Nunca ficaram doentes por brinquedos. Não gostam de Mac Donalds, já comprei uma vez e acharam péssimo.

A mídia já influencia demais os adultos, as crianças não tem amadurecimento suficiente para conseguir lidar com tanta informação e influência.

O brinquedo preferido delas é papelão, papel,canetinhas, lápis, tinta e giz de cera. Terra, baldinhos, colheres, sementinhas, água. Bonecas, pelúcias, Barbies. Pular na cama, se enconder embaixo da cama. Quebra cabeças, blocos de montar.



Optamos por não ter TV por causa delas. Um dia, infelizmente, entrarão em contato com esse mundo que força o cosumismo. Mas não hoje.

Aline Viana

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Chá revelação do sexo chegando...

Façam suas apostas...


Quando nos descobrimos grávidas logo começa ansiedade e as perguntas: Menino ou Menina?

É... por aqui estamos vivenciado essa fase novamente, e é tão encantador quanto a primeira!

Dizem que para o segundo filho nem damos tanta atenção quanto ao primeiro, mas estou amando tanto quanto a primeira, tão ansiosa quanto (ou mais).

Por isso decidi aguentar para descobrir dessa forma emocionate quem está a caminho!

Ontem comecei na preparação de algumas coisinhas e olhem só como ficou:


Painel para aposta (quem acha que é menina escreve o nome do lado rosa, e menino do lado azul)


Lembrancinha para quem acertar
Lembrancinha
Centro de mesa (colocarei as bexigas no meio )


E aí? Acham que vem por aí é o Lucca ou a Luiza?


Apesar de ter feito tudo azul e rosa, tenho minhas opiniões em um post AQUI, porém apesar de saber que nossas crianças tem escolhas próprias e que é claro que não a segregaremos, nem a definiremos por cores, nada impede de viver um momento legal com a família e amigos para a descoberta do sexo com a forma tradicional de separação de cor para os sexos. Isso não nos deixará menos compreensivos com o mundo e nem menos pais para os filhos. Apesar de todas as reflexões do blog o importante as vezes é apenas viver! E viver, as vezes faz parte do contexto geral. Vamos celebrar a vida do nosso pequeno(a) que vem por aí! Seja de rosa, azul, amarelo, branco ou vermelho! 

Beijos, mamães lindas! Logo mais postaremos como foi a revelação!

Ps: tem post da mamãe Aline sobre separação de cores e brinquedos para sexos AQUI também.


quinta-feira, 6 de abril de 2017

13 reasons why : Bullying, Cyber bullying, Suicício na adolescência

Essa é daquelas séries que eu digo: Puta merda! Que série foda!




É...isso mesmo. Precisou dos "palavrões".

Eu comecei assistir e me senti péssima porque viciou. Odeio séries que eu fico viciada querendo assistir toda hora.

Mas cara... o aprendizado que ela deixa é surreal.



Vamos logo á resenha da série:

Hannah está no segundo ano do ensino médio. Hannah se matou. Ela se matou por 13 motivos. 13 pessoas. 13 razões.
Ela gravou 13 fitas para essas pessoas que fizeram parte da razão, do porquê. Cada pessoa ouve os 13 motivos e passa para a outra com a ameaça de que se não ouvir ou quebrar,ou não ouvir, alguém de confiança torna as cópias das fitas públicas.
Clay é uma das razões. Ele é o protagonista da série. Um garoto muito meigo, tímido e autêntico. Mas porque ele está nas fitas? Ele cometeu bullying? Assista a série rs.

Mas o que quero dizer é sobre bullying e cyber bullying. Lembra do seu ensino médio? Alguém enchia o seu saco ou você enchia de alguém? Lembra dos apelidos? Da pressão para ser a garota perfeita ou garoto esportista?

Adolescência é um momento super complicado. Todo adulto passou por isso. Todos nós sobrevivemos. Mas os adolecentes atuais, acham que não vão sobreviver (Por quê? Veja lá embaixo). Eles estão sempre rindo mas escondendo segredos, escondendo tristezas, amarguras, vergonha. Ser adolescente não é fácil. Como diz a Hannah:
As pessoas sempre dizem: Sonham grande! Aí te prendem por 12 anos em uma cadeira. E de repente você tem que fazer a escolha mais importante da sua vida.

Tem toda essa pressão natural, o início da sexualidade que parece que todos já sabem transar( que na verdade ninguém sabe). É vergonhoso ser virgem, nunca ter bebido, é maneiro usar maconha, você tem que ser gostosa! Mas não pode ser vulgar. A pressão de repente ter que escolher o que vai ser da vida, qual faculdade dentre tantas, alguém que nem sabe os próprios sentimentos tem que decidir sobre o resto da vida.

Como se não bastasse, ainda tem o bullying. A perseguissão de garotos e garotas que usam a vergonha de um colega para se promover na sociedade escolar. E pior que isso. O cyber bullying, nas redes sociais. É quando seu sofrimento não é apenas na escola, é em casa, na rua. Em todo lugar as pessoas comentam sobre você. Foi isso que aconteceu com a Hannah.

Na série tem duas cenas de estupro. Isso mesmo. Precisamos falar sobre isso. Porque na primeira cena, a vítima está bêbada e desacordada. A segunda vítima está tão abalada que não consegue dizer não. NÓS, PRECISAMOS FALAR SOBRE SEXO. Falar sobre como fazer, como deve fazer, como respeitar o desejo do outro e o que não fazer. Falar sobre consentimento.

PRECISAMOS não julgar os adolescentes por nada que façam. Para que quando ocorrer algo grave saber que pode contar conosco. E que eles não tenham dúvidas nem questionamentos: " O que minha mãe/pai vai dizer?"

PRECISAMOS ensiná-los a nomear seus sentimentos, saber que estão com raiva, triste ou decepcionado. Mas isso na minha opnião não se ensina na adolescência, mas na infância. Quando eles estão de ouvidos atentos, e irão nos ouvir e querer entender.



Mas porque é tão importante essa fase? Por que parece que não vamos sobreviver?
"Os jovens não possuem o lobo frontal do cérebro totalmente formado, então tudo o que acontece parece ser para sempre" 
Dra Rebecca Hedrick - Psiquiatra infantil.

Quais são os sinais que o adolescente precisa de ajuda?  Alguns deles:
Mudança drástica no comportamento;
Queda nas notas escolares;
Brigar com colegas, pais ou figuras de autoridade;
Abuso de substâncias.

Se você se sente como a Hannah lembre-se: Suicídio nunca deve ser uma opção.

Por mais inútil que você esteja se sentindo, por mais dor, por se achar que só causa problema na vida dos outros. Você sempre valerá a pena. Cada pessoa é única e sempre vai fazer muita falta a alguém, sempre alguém sentirá muita dor, muita falta.

As vezes você pode achar que seus problemas não tem solução e não adianta nada falar com alguém. Mas há sim, tente, tente de novo, mas não desista da sua vida. Não tem problema as coisas não estarem do jeito certo, do jeito perfeito, as coisas vão melhorar, não ficará assim para sempre. Acredite.

E para nós que a vida está corrida, que não estamos depressivos, mas temos coisas demais a fazer, a se preocupar. Que cada um de nós tomemos um tempo de nossas vidas para dedicar ao outro. Nunca temamos em dizer "eu te amo" " sinto sua falta" " Você é importante" "Obrigada por fazer parte da minha vida".


Aline Viana.

Destaque do dia

Ser mãe

Receba novas postagens por e-mail!

Posts Recentes

Já Curtiu Jovens Mães no Facebook?