Se eu cheguei até aqui, porque vou desistir?

Esses dias estava me perguntando o tempo todo sobre isso. Foi, inclusive, muito difícil sentar e escrever; porém foi escrevendo que sempre encontrei as respostas que precisava. Colocar pra fora nos faz entender o que exatamente estamos sentindo.

Quando comecei o blog eu escrevia muito mais sobre meu pessoal, e isso me ajudou muito a chegar longe. Para quem acompanha sabe que descobri a gravidez da Lara no início da faculdade (Leiam aqui como foi A Descoberta) e escrever foi uma forma de superar todos os medos que uma gravidez traz por si só, porém além de tudo isso eu precisei lidar com o medo pela idade (eu tinha 19 anos quando ela nasceu), pela sociedade (aprendi a tapar os ouvidos) e principalmente pelo: SERÁ QUE CONSIGO? 

E assim fomos passando os anos, vivendo dia a dia, sofrendo, chorando, sorrindo. Ano passado fiz um resumo de como foram os anos da faculdade, e nesse ano, não sei explicar porque não consegui me dedicar aos textos que tanto me ajudaram.

Ainda no quarto ano eu descobri minha segunda gestação e logo depois veio a perda (ainda não consegui escrever sobre apenas essa pequena reflexão sobre aborto: Eu só queria ouvir o coração, e estou chorando só de lembrar), porém me mantive forte. Percebi que mudei muito depois disso, construí uma certa casca dentro de mim, meus textos passaram a ser mais técnicos do que emocionais (desculpe as que me acompanham desde o começo se perdi minha identidade inicial), em vez de ter um blog para ajudar e ser ajudada eu comecei a escrever apenas para mantê-lo, e foi quando ele mais cresceu. Foi bom, claro! Mas eu fui sentindo aos poucos que deixar de lado aquela menina meiga que via na maternidade coisas boas e lindas estava me fazendo falta. 

E assim chegamos ao quinto ano... uma terceira gestação, medos ainda maiores, pois foi exatamente um ano depois da primeira perda e eu não sabia se queria mesmo encarar aquilo ao mesmo tempo que temia demais outra perda, eu não suportaria. A alegria de todos a minha volta foi imensa, é como se todos esperassem isso, é como se fosse a única forma de eu superar, como se um filho substituisse outro. A princípio até eu acreditei nisso, porém percebi que não é bem assim... Continuamos sentindo a presença do filho que se foi, continuamos pensando como seria se ele estivesse aqui...

Mas conforme a barriga vai crescendo, cresce também o amor! Passa o primeiro trimestre e é um primeiro grande alívio! Descobrimos o sexo e podemos passar a chamar nosso bebê pelo nome, a conexão aumenta. E nessa surpresa toda vem a descoberta de que é um menino! Que maravilha descobrir um novo mundo, aprender sobre uma nova forma. E nisso tudo, Lara sempre esteve ao meu lado com aquela meiguisse natural de sempre, um amor que foi crescendo cada vez mais, comecei a me ver mais nela, me preocupar ainda mais. Conforme ela crescia eu me apegava ainda mais e continuava com medos. E agora? Como será possível amar outro ser e continuar mostrar a ela que a amo? Será mesmo possível dividir?

Conforme os meses passaram ela me ensinou que amor não se divide, apenas aumenta! Ela me ensinou que amar ainda é o melhor sentimento e a solução de qualquer problema.

Porém eu ainda tinha (tenho) a faculdade para lidar, e um último ano é esgotante naturalmente para qualquer universitário, tinha o exame da OAB, TCC, caderno de prática... Até que reprovei na segunda fase. Gente, foi um baque muito grande. É como se eu não merecesse aquilo, é como se tudo o que planejei (na minha cabeça eu tinha que passar de primeira pra poder curtir o fim da gestação) tivesse sido jogado pro alto, apenas por correção de estilo de uma banca conhecidamente como massacradora; foi difícil, eu nunca recebi um grande não da vida assim. Quando eu não passei em um concurso ou outro, eu já tinha consciência antes mesmo de fazer que não passaria, e nos que fiz para passar, eu passei! Mas foi diferente dessa vez... é como se eu tivesse jogado fora 5 anos de faculdade, como se não tivesse valido a pena... 

Me fechei ainda mais...

Mas aí o luto passa, a realidade bate na porta. Lara precisava da mamãe de volta, Lucca precisava que eu vivenciasse a gestação, é importante que ele se sinta amado e acolhido desde o ventre. E não basta amar, nós precisamos demonstrar amor.


Então resolvi que era hora de voltar a essência: aquela mais pura e verdadeira. Eu nunca desisti de nada na vida, porque desistiria agora?
Nunca vi a maternidade como um desafio insuperável, para mim sempre houve caminhos, porque agora não teria?
Nunca desisti de um sonho, porque agora desisitiria?

Então resolvi lutar novamente. Voltei a participar de páginas de maternidade (mas no momento parei apenas para me conectar com meu novo ser - estamos a espera do nascimento a qualquer momento e quero viver intensamenteo), páginas de Direito (e voltei a estudar em geral), comecei a estudar especificamente para a segunda fase (que ou estarei com um barrigão enorme ou com um recém nascido, rsrs), mas acima de tudo: voltei a amar o que a vida oferece.

Pode ser difícil e ainda assim choro, mas lembrei-me o quanto o choro me salvou muitas vezes, então dei espaço para ele.

Me permiti não viver a perfeição, me permiti deixar os padrões de lado, eu preciso apenas ser a melhor mãe que posso ser, e como eu sempre defendi aqui: antes da mãe, existe a mulher! E não podemos deixá-la se apagar. Eu só precisava seguir meus próprios conselhos.

Faz dias que quero sentar e escrever pro blog, mas não conseguia. Faltava inspiração, ou sentimento, sei lá.

Então passei a semana toda buscando em meus próprios textos, eu meu próprio testemunho de vida forças pra não desistir de nada.

E hoje consegui! (e veio textão, hein? rsrs)

Resumo de tudo isso: o quinto ano foi fodaaaaaaaaaaaaaaa (me perdoem as palavras).

Em TODOS os sentidos: estudos, maternidade, gravidez, sentimento

Gente, isso não foi de Deus! (ou foi um grande plano Dele?)

Mas vai valer a pena!

E lembrem-se: nós sempre vamos conseguir o que queremos, basta acreditar!


Que Larinha continue crescendo linda e cheia de graça e que Lucca venha com muita saúde, porque amor por aqui tem aos montes!
Foto de Amanda Camargo

Grandes beijos e obrigada a todos que sempre estiveram aqui. Estou de volta! (AMÉM!)







Agradecimentos especiais:

A minha mãe Katia Regina que por nenhum momento me desamparou e sempre foi meu maior exemplo de que o amor tudo supera.
A Camila Teles que a princípio era colaboradora do blog apenas com textos técnicos sobre nutrição e hoje esbanja amor nos seus textos maternais, e principalmente, obrigada por ter se tornado essa grande amiga que me ouve e me ajuda nas maiores crises da maternidade. Camila Teles - Nutricionista Clinica - FAN PAGE
Aline Viana! Agora coautora do blog! Como te agradecer por essa parceria? Um dia, a própria vida se encarrega disso. Obrigada por manter o blog quando eu não tenho forças e por me mandar mensagens perguntando como estou e me ajudando a levantar, me mostrando a realidade e como podemos lidar com ela. Sabes o quanto te admiro. 
Madrinha, Carol Teles, sem você eu não conseguiria nada, não iria longe e nem acreditaria que seria possível. Você foi a melhor escolha que Lara fez por mim! Que Deus continue nos abençoando! Você é o verdadeiro papel de madrinha! E toda sua família! ❤
Amigas, obrigada por me ouvirem e verem em mim o que nem eu mesma enxergo, por me incentivarem e estarem ao meu lado sempre! Amo cada uma de vocês. Karine (agora também comadre), Helena, Pamela, Tay. 
Samanta Holtz, seu livro "Quando o amor bater a sua porta" e a resposta a meus emails foram essenciais para renascer o amor em mim! Você é a melhor escritora! samantaholtz.com.br
Yuri! Sem palavras pelo total apoio e dedicação; principalmente paciência e luta diária! Mitos, Rock & outras Filosofias

Comentários

  1. Ah que textão foda hein?! Você é um exemplo de superação, lhe admiro muito. E continuo aqui mesmo de longe torcendo pela sua felicidade. Que você tenha uma boa hora, que Lucca venha com muita saúde, logo estará com vcs para completar ainda mais a felicidade dessa família linda que vc construiu! Eu que agradeço pela sua amizade ❤
    Bjs 😘😘😘

    ResponderExcluir
  2. Lindo texto Bru!
    É maravilhoso ler algo assim.. Algo sincero, que vem do coração..
    Você é uma guerreira!
    Eu que agradeço pela sua amizade!
    E vem Lucca, meu baby boy!! 😍

    ResponderExcluir
  3. Que texto!!!
    Mais sentimento impossível
    Imagino sua luta, eu tô na metade do curso de Serviço Social e qria mt outro bb, mas penso nas dificuldades naturais de final de curso, imagina com 2 filhos?! hehehehehee
    Mas tô deixando a ideia amadurecer, Arthur fez 3 esse mês então podemos pensar direitinho no assunto!

    Bem-vinda de volta Super Mãe!

    Bjoooos
    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Lindo texto. Que ano hein, cheio de desafios e algumas decepções (com a faculdade né). Mas gravidez está linda!!! vento em poupa!!! que tudo!

    Bom estar de volta. As vz difícil escrever... mas adoramos! então some não! beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é sempre importante! Deixe seu comentario e seu link que contribuiremos a visita de todos com prazer :)
Obrigada pela visita! *-*
Beijos

Postagens mais visitadas