Pular para o conteúdo principal

Cidade pequena ou cidade grande?

Moro há 24 anos em Campinas SP. Chamamos de metrópole, a cidade é mega grande emendando em outras cidades menores. Cerca de 3.131.528  de habitantes.



Meu marido vem de uma cidade minúscula, a gente entra na cidade enchergando o fim dela. Cerca de 4.650 habitantes!

Faz 10 anos que eu vou pelo menos 2 vezes por ano para lá. (Muito pouco para falar a verdade, mas é que é longe rs. Cerca de 400 km de Campinas).

Eu não tenho raízes nenhuma por aqui, a não ser minha família e amigas que adquiri no Ensino Médio na ETECAP ( AMOOOO). Mas não tenho muitas lembranças daqui.

Eu lembro de 2 vezes que brinquei de bets na rua. Estavamos sempre andando de carro, nunca andei a pé. Eu tive uma amiga do bairro, mas nossos pais morriam de medo da vizinhança então nos viamos bem pouco. Nunca brinquei na rua da minha casa!

Por aqui antes de visitar alguém temos que marcar com antecedência, inclusive família. Não tem padaria e mercado pertinho de casa, é preciso sair de carro ou moto para ir comprar pão pro café da tarde. Ir na academia de carro, ir no parque de carro. A distancia dificulta tudo.

Eu vi meu visinho no Ano Novo. Depois eu vi ele só mais uma vez em 5 meses.

Ninguém conhece ninguém e se a gente reconhece alguém no mercado a gente se esconde ou encurta a conversa logo. Pessoas que conversam atrapalham nossa rotina.

Para eu ir no Shopping eu demoro 30 minutos. Transito a todo tempo. Muitos carros, muitos motoristas malucos.

Se alguém adoece ninguém percebe. Só quando interna, ou morre.

Essa foi a parte ruim.
A parte boa:

Temos 6 shoppings na cidade que eu conheço mas deve ter mais. Aqui tem de tudo. Concerta tudo. Roupa de marca, roupas baratas, roupas exóticas. Uma academia a cada esquina. Escolas em cada bairro. Conheço 6 parques enormes, com lago e arborizados e não conheço a cidade inteira ainda.
Escolas particulares então...nem sei contar. Fármacia a cada esquina. Uma série de hospitais. Médicos de todas especialidades e qualidades. A Unicamp está aqui! Temos dois aeroportos e rodoviária enorme. Temos voo de Campinas para Miami! Gente, eu moro aqui há 24 anos e não conheço a cidade toda.







Agora a cidade do meu marido:
Quando vamos para a cidade dele, ele já entra na cidade comprimentando todo mundo!! Só não conhece as crianças, mas conhece os pais deles.

Mercado, padaria, sorveteria, praça. Sempre tem alguém que ele conhece, sempre tem uma história de alguém.

Ele tem 4 irmãos e uma irmã. Eu fui em todos casamentos deles. Eu estava no início do namoro e eu odiava aqueles casamentos porque ele passava o casamento inteiro cumprimentando as pessoas!

A gente chega lá e as pessoas já sabem se ele engordou ou emagreceu, se está feliz ou triste. A gente vai na casa das pessoas sem avisar. Vamos na praça a noite e a pé. Na igreja todo mundo se conhece. Não tem como sair rápido.



As pessoas falam assim: Vou descer aí. E pronto! Simples assim. Ou nem avisam, simplesmente aparecem.

Os amigos dele são os mesmos desde a infância.

Se alguém adoece todo mundo percebe e recomenda médicos,remédios, orações e rezas.

Padaria é 5 minutos de caminhada. Ida e Volta!

Essa foi a parte boa.
A parte ruim:

Tem um hospital na cidade e coisas grandes é transferido para outra cidade.
É tudo muito caro. Tem umas duas lojas de roupas e são "o olho da cara".Dois mercados, três açougues. dois veterinários. Uma academia. Mercado bom e Shopping é 56 km de distância. O único lugar de passear é a praça do centro e o centro de esportes.

Escola tem duas. Uma pré-escola e outra para maiores até Ensino Médio. Escola Particular só nas cidades visinhas maiores.

Refletindo...

É melhor ter liberdade e estudar, passear e comprar em outras cidades?
ou
Ter tudo dentro da própria cidade mas ficar dentro de casa a maior parte do dia?

Aline Viana.

Comentários

  1. Eu nasci em São Paulo, mas cresci em uma cidade pequena no interior do Paraná. Pra minha mãe e meu pai, foi difícil abrir mão de tanta coisa que eles tinham em uma cidade grande. Para mim e para o meu irmão, foi a melhor infância que eles poderiam ter dado pra nós.

    Pessoas conhecidas, segurança, a gente andava o dia todo ou ia de bicicleta na casa dos amigos. Subia em árvore, andava a cavalo, caminhava até uma clareira linda onde a gente fez vários piqueniques que duravam a tarde toda.

    Eu e meu irmão saímos de casa cedo, aos 16 e 17 anos, para estudar, porque a cidade não oferecia um bom segundo grau. Nenhum dos dois voltou.

    Como adulta, os problemas da cidade pequena são insuportáveis pra mim (a começar por todo mundo se conhecer e se meter na vida dos outros). Mas eu usufruí de tudo de bom que ela poderia oferecer a uma criança!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é sempre importante! Deixe seu comentario e seu link que contribuiremos a visita de todos com prazer :)
Obrigada pela visita! *-*
Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

A Polêmica do Feijão com a Beterraba!

Recebi de algumas mamães perguntas sobre um post que as mesmas leram na internet (Você Sabia que não pode cozinhar Feijão com Beterraba?), onde se dizia que não se pode cozinhar feijão juntamente com beterraba. Elas me procuraram, pois estavam preocupadas alegando que sempre fizeram isso achando que aumentariam o ferro na alimentação de seus pimpolhos, como percebi que surgiu muita dúvida sobre esse tema resolvi elaborar esse post para esclarecer uns pontos: 



✔Tanto o feijão quanto a beterraba são ótimos alimentos, portanto, a menos que você possua alguma intolerância ou simplesmente odeie esses alimentos, não os exclua de sua rotina alimentar pois eles são super nutritivos!
✔Esses dois alimentos são conhecidos por serem alimentos ricos em ferro, então porque não podemos consumi-los juntos? 

O feijão cozido com beterraba não seria um “super feijão”? 😎
Então não posso mais “comer” feijão junto com beterraba? 😱


🔝Pode! Pode! Pode! 



💡Mas vamos esclarecer: Você pode sim comer feijão junto …

O que aprendi com a fórmula infantil

Por Camila Teles,mãe da Beatriz, nutricionista.
"Beatriz está com 2 meses, a cerca de uma semana estava irritadiça e chorona a tardezinha, nada a satisfazia, e queria mamar de meia em meia hora. Também não estava dormindo bem a noite, ficava muito agitada e "resmungando" durante o sono.
Então, na consulta de rotina com a pediatra relatei esse ocorrido.
Eu já sentia e sabia o que estava por vir, talvez por ser nutricionista, talvez por um instinto maternal, mas antes de tomar a decisão final quis ouvir a opinião da pediatra.
E aí ela me pergunta: você sente suas mamas ficarem cheias?
Eu respondi: não sinto mais
Pronto, ali tive a confirmação de que era realidade aquilo que eu tinha certeza por ser nutricionista, mas não queria acreditar por ser mãe.
Em seguida a pediatra disse que iria avaliar a Bia pra ver o que faríamos e pra minha infelicidade ela havia perdido peso de duas semanas pra cá (não quis a pesar em casa nessa semana pois já imaginava isso).
Enfim a pediatr…

Postagens mais visitadas deste blog

Qual nosso valor? Qual o valor da mãe que há em você?

Estamos em crise  econômica e política. Brasil cada dia levanta mais um pouco da saia e vemos suas sujeiras.Empregos e ações caindo. Preços aumentando.

Sabemos o quanto isso é bom para os brasileiros, mas até nos recuperarmos dessa crise quem mais sofre? Quem tem filhos.

Não é fácil ser mãe e não ter dinheiro. Não poder fazer todas as vontades do filho dói demais!
Ontem eu não resisti. Foram muito dias recusando brinquedos e bolinhos no mercado. Já dei muito "não" e não consegui dar outro. Minhas filhas são extremamente compreensivas. O que dói mais ainda, porque é fácil dizer não para a criança que faz birra e se joga no chão. Mas dizer não para aqueles olhos brilhantes perguntando: "É caro mãe?" dói demais!

E eu me dei conta do meu valor como mãe. De ser forte. De ir contra meu ímpeto de comprar tudo. Porque muitas vezes não queremos criar seres consumistas mas em outras muitas vezes é por não ter dinheiro para comprar tudo que eles querem. De querer comprar tudo…