Pular para o conteúdo principal

Sou doula. O quê?

Doula é uma ocupação muito antiga, mas faz poucos anos que foi nomeada como "doula".

O nome Doula vem do grego que significa: Servir a mulher.

Nós eramos irmãs, amigas, mães, que ajudavam as parturientes a parir seus filhos. Aquela que aquecia se estivesse frio, refrescava se tivesse calor. Que cozinhava para a recém mãe. Que segurava sua cabeça e oferecia um copo d'água.

Hoje temos muitos cursos para doulas no Brasil, no Estado de São Paulo tem um projeto de lei para aceitarem as doulas nos hospitais. Na cidade de São Paulo e Sorocaba foi aceito e já está em vigor agora em 2017. Santa Catarina e Blumenal também já possui essa lei.

Mas, o que é doula nos dias de hoje?

A presença da doula hoje reduz chances de episotomia, cesárea, ocitocina, e tantas outros procedimentos invasivos que causam medo e traumas na parturiente.

A doula fornece série de alivio de dor não farmacológico. Massagens, apoio emocional, rebozo, bola, chuveiro, imersão na água. Isso durante o parto.

Antes do parto, a doula faz acompanhamento durante a gestação tirando todas as dúvidas possíveis. Ouvindo seus medos, dando uma palavra amiga nos momentos difíceis. Esclarecendo sobre o parto, suas possibiliades, as realidades do parto no Brasil, procedimentos que ela pode e não pode optar no momento do parto. Plano de parto. Plano A, Plano B. Preparando para a amamentação.

Após o parto a doula pode acompanhar a primeira hora do bebê com sua mãe, orientar na amamentação, na conexão e vínculo dos dois. Ou apenas estar ali para uma água ou ouvir a mulher.

O parto é um caminho estreito e solitário. A mulher passa sosinha, ela é a protagonista do seu parto. Ela diz qual posição quer ficar, até onde aguenta, ela anda, ela senta, come, bebe, é um momento dela em maior conexão com seu feminino. É ela e seu bebê.

Mas a doula é aquela mulher que fica no portal do nascimento, no fim do caminho, dizendo: "você consegue" "vamos! você é forte". Ou apenas olhando nos olhos da parturiente. Ela olha nos olhos da doula e enxerga a sua própria alma, e vê em si mesma forças para continuar. E ela consegue.

A doula pode acompanhar parto domiciliar e hospitalar. Pode acompanhar cesárea, quando esta é necessária. Por que nesse momento há muitas emoções naquela mulher, um sentimento de frustração por não ter conseguido, mesmo que é a melhor solução para ela e seu bebê. A cesárea pode ser fria e solitária, a doula ajuda esse momento ser acolhedor para a mulher.

O hospital muitas vezes é frio, há muitas mulheres parindo para poucos enfermeiros e obstetras. Alguns deles não são humanizados, mesmo em um hospital humanizado. A pressa deles causa medo e anciedade liberando adrenalina na parturiente, uma vez a adrenalina correndo pelo sangue dela fica muito dificil a ocitocina agir. A ocitocina é responsável por caminhar o trabalho de parto, ela é natural, ela é o hormônio do AMOR.

A doula oferece esse amor acolhendo a mulher, ajudando ela a respirar e sentir que o momento mais esperado de 9 meses chegou, e ela estará lá para ajudar para que seja a melhor experiência possível.



Se doula fosse remédio, seria anti-ético não receitar.

Aline Viana.
Doula.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Polêmica do Feijão com a Beterraba!

Recebi de algumas mamães perguntas sobre um post que as mesmas leram na internet (Você Sabia que não pode cozinhar Feijão com Beterraba?), onde se dizia que não se pode cozinhar feijão juntamente com beterraba. Elas me procuraram, pois estavam preocupadas alegando que sempre fizeram isso achando que aumentariam o ferro na alimentação de seus pimpolhos, como percebi que surgiu muita dúvida sobre esse tema resolvi elaborar esse post para esclarecer uns pontos: 



✔Tanto o feijão quanto a beterraba são ótimos alimentos, portanto, a menos que você possua alguma intolerância ou simplesmente odeie esses alimentos, não os exclua de sua rotina alimentar pois eles são super nutritivos!
✔Esses dois alimentos são conhecidos por serem alimentos ricos em ferro, então porque não podemos consumi-los juntos? 

O feijão cozido com beterraba não seria um “super feijão”? 😎
Então não posso mais “comer” feijão junto com beterraba? 😱


🔝Pode! Pode! Pode! 



💡Mas vamos esclarecer: Você pode sim comer feijão junto …

O que aprendi com a fórmula infantil

Por Camila Teles,mãe da Beatriz, nutricionista.
"Beatriz está com 2 meses, a cerca de uma semana estava irritadiça e chorona a tardezinha, nada a satisfazia, e queria mamar de meia em meia hora. Também não estava dormindo bem a noite, ficava muito agitada e "resmungando" durante o sono.
Então, na consulta de rotina com a pediatra relatei esse ocorrido.
Eu já sentia e sabia o que estava por vir, talvez por ser nutricionista, talvez por um instinto maternal, mas antes de tomar a decisão final quis ouvir a opinião da pediatra.
E aí ela me pergunta: você sente suas mamas ficarem cheias?
Eu respondi: não sinto mais
Pronto, ali tive a confirmação de que era realidade aquilo que eu tinha certeza por ser nutricionista, mas não queria acreditar por ser mãe.
Em seguida a pediatra disse que iria avaliar a Bia pra ver o que faríamos e pra minha infelicidade ela havia perdido peso de duas semanas pra cá (não quis a pesar em casa nessa semana pois já imaginava isso).
Enfim a pediatr…

Postagens mais visitadas deste blog

Qual nosso valor? Qual o valor da mãe que há em você?

Estamos em crise  econômica e política. Brasil cada dia levanta mais um pouco da saia e vemos suas sujeiras.Empregos e ações caindo. Preços aumentando.

Sabemos o quanto isso é bom para os brasileiros, mas até nos recuperarmos dessa crise quem mais sofre? Quem tem filhos.

Não é fácil ser mãe e não ter dinheiro. Não poder fazer todas as vontades do filho dói demais!
Ontem eu não resisti. Foram muito dias recusando brinquedos e bolinhos no mercado. Já dei muito "não" e não consegui dar outro. Minhas filhas são extremamente compreensivas. O que dói mais ainda, porque é fácil dizer não para a criança que faz birra e se joga no chão. Mas dizer não para aqueles olhos brilhantes perguntando: "É caro mãe?" dói demais!

E eu me dei conta do meu valor como mãe. De ser forte. De ir contra meu ímpeto de comprar tudo. Porque muitas vezes não queremos criar seres consumistas mas em outras muitas vezes é por não ter dinheiro para comprar tudo que eles querem. De querer comprar tudo…