Pular para o conteúdo principal

São gêmeos e agora? Parte 1


Quando engravidei pela segunda vez a Nicole tinha 1 ano e 1 mês. Era a bebê mais linda e calma da face da terra. (A partir de 1 ano somente, até lá o choro dela era ininterrupto, escreve assim? kkkk, ou seja, fazia um mês que ela não chorava e já engatilhamos outro).

Minha barriga cresceu muito rápido e apesar de saber que por ser segunda gestação, ainda assim estava além do normal rs.

Já fomos nos preparando e quando fizemos a ultrassom o médico disse: Aqui está a primeira cabecinha e aqui...a outra. São gêmeos!

Duas cabecinhas perfeitas.



Nossa, foi uma surpresa enorme! Mas e agora?

Tudo mudou, roupas, acessórios, quarto, ultrassons, parto. A primeira preocupação foi as cadeirinhas do carro e que nosso carro de 5 lugares não caberia mais nenhuma visita (ou sogra, yes! kkk).

Tive uma infecção urinária bem no começinho da gravidez, interenei por 7 dias. Na época eu sonhava com 2 meninos kkkk. Ai gente como é duro ficar no hospital e filho em casa. Deus foi maravilhoso e liberaram a Nicole para me ver. Era minha força. Chegou o 6° dia e eu fiz as malas para voltar para casa, médico chegou e disse que eu ficaria mais um dia. Ai, me enterrei no chão e chorei demais. É horrível ficar dividida.

Carrinho e berços Deus abençou que ganhei de uma mãe de gemelar, roupas usadas também, foi aparecendo ajuda de lugares que eu nem imaginava.

Conseguimos fazer enxoval, minha mãe e eu confeccionamos os protetores de berço, almofada amamentação, edredom, véu de berço, fraldas de boca, mantas e tudo que podíamos kkkk.


Patchwork e croche

Protetor de berço, almofada amamentação, almofada pescoço da cadeirinha

Porta fraldas

Kit de madeira

Cadeirinhas forradas

Quando nasceram ganharam tantos presentes que não precisei comprar mais nada até um ano!

Fizemos chá de fraldas que duraram até depois de um ano também.



Mas nossa maior surpresa era as ultrassom. Vocês acreditam que eles cobram duas ultrassons? Mesmo pelo plano de saúde, são duas guias.

Alice sendo coberta pelas pernas da irmã espaçosa rs
Lívia
As consultas com a obstetra era o mais delicioso. Ouvir um coração, saber que está tudo bem e depois a outra. Era muito legal saber a posiçao dos pézinhos, cabecinhas, a médica ia tocando na barriga e explicando.

Para o parto seria duas pediatras, duas enfermeiras, tudo duplicou.

Meu medo de ter parto natural foi aumentando e optamos (por falta de opção na época) pela cesárea, que a médica fez o parto "de graça" por ser gemelar.

Foi chegando os 5 meses de gestação e começou os incomodos terríveis. Eu não conseguia dormir, tinha falta de ar. Quando deitava, as gemêas subiam pro meu estomago rs. Me deu um inchaço na barriga que coçava muito a noite inteira, eu acordava com coceira. Não conseguia mais lavar a louça pelo tamanho da barriga.
(Foto de Mayara Netto)

(Foto de Mayara Netto)
















Mudei para a casa da minha mãe e ficou muito mais fácil porque eu não conseguia fazer nada. Só cuidava de mim e da Nicole.

Eu juro, começei a querer arrancar as gêmeas com as mãos de tanta canseira. Eu não aguentava mais o barrigão.Eu tinha uma cinta para segurar a barriga que não ajudava nada, cheguei a amarrar um lençol no pescoço para aliviar o peso. Com 36 semanas eu tinha um útero de 42 cm, compatível com 42 semanas. Na minha primeira gestação com 36 semanas eu atravessei 2 vezes a ponte da Amizade, entre Brasil e Paraguai rs. Senti muita diferença.

Tive minha segunda infecção urinária lá pelas 34 semanas e eu estava firme e forte que elas nasceriam já kkk.O final da gestação foi tão cansativo que mecheu com minha cabeça, a louca aqui queria que nascessem logo. Se fosse por mim elas tinham ficado na uti. Mas graças a Deus aguentei mais 2 semanas. Tomei injeção de amadurecimento do pulmão e elas nasceram com 36 semanas super saudáveis.


Saímos todas juntas do hospital.

2,430 kg Lívia. 2,325 Alice.


Hoje 3 anos após, eu olho para trás e vejo como fui abençoada. Na época eu não queria ter mais filhos nunca! kkkk. Foi extremamente exaustivo a gestação, o puerpério, amamentação.

Quando elas tinham 6 meses fomos para nossa casa e aí que o caldo engrossou mesmo, era eu e EU. Mas essa história eu conto para vocês depois hehe.

Fim da parte 1!







Comentários

Postar um comentário

Sua opinião é sempre importante! Deixe seu comentario e seu link que contribuiremos a visita de todos com prazer :)
Obrigada pela visita! *-*
Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

A Polêmica do Feijão com a Beterraba!

Recebi de algumas mamães perguntas sobre um post que as mesmas leram na internet (Você Sabia que não pode cozinhar Feijão com Beterraba?), onde se dizia que não se pode cozinhar feijão juntamente com beterraba. Elas me procuraram, pois estavam preocupadas alegando que sempre fizeram isso achando que aumentariam o ferro na alimentação de seus pimpolhos, como percebi que surgiu muita dúvida sobre esse tema resolvi elaborar esse post para esclarecer uns pontos: 



✔Tanto o feijão quanto a beterraba são ótimos alimentos, portanto, a menos que você possua alguma intolerância ou simplesmente odeie esses alimentos, não os exclua de sua rotina alimentar pois eles são super nutritivos!
✔Esses dois alimentos são conhecidos por serem alimentos ricos em ferro, então porque não podemos consumi-los juntos? 

O feijão cozido com beterraba não seria um “super feijão”? 😎
Então não posso mais “comer” feijão junto com beterraba? 😱


🔝Pode! Pode! Pode! 



💡Mas vamos esclarecer: Você pode sim comer feijão junto …

O que aprendi com a fórmula infantil

Por Camila Teles,mãe da Beatriz, nutricionista.
"Beatriz está com 2 meses, a cerca de uma semana estava irritadiça e chorona a tardezinha, nada a satisfazia, e queria mamar de meia em meia hora. Também não estava dormindo bem a noite, ficava muito agitada e "resmungando" durante o sono.
Então, na consulta de rotina com a pediatra relatei esse ocorrido.
Eu já sentia e sabia o que estava por vir, talvez por ser nutricionista, talvez por um instinto maternal, mas antes de tomar a decisão final quis ouvir a opinião da pediatra.
E aí ela me pergunta: você sente suas mamas ficarem cheias?
Eu respondi: não sinto mais
Pronto, ali tive a confirmação de que era realidade aquilo que eu tinha certeza por ser nutricionista, mas não queria acreditar por ser mãe.
Em seguida a pediatra disse que iria avaliar a Bia pra ver o que faríamos e pra minha infelicidade ela havia perdido peso de duas semanas pra cá (não quis a pesar em casa nessa semana pois já imaginava isso).
Enfim a pediatr…

Postagens mais visitadas deste blog

Qual nosso valor? Qual o valor da mãe que há em você?

Estamos em crise  econômica e política. Brasil cada dia levanta mais um pouco da saia e vemos suas sujeiras.Empregos e ações caindo. Preços aumentando.

Sabemos o quanto isso é bom para os brasileiros, mas até nos recuperarmos dessa crise quem mais sofre? Quem tem filhos.

Não é fácil ser mãe e não ter dinheiro. Não poder fazer todas as vontades do filho dói demais!
Ontem eu não resisti. Foram muito dias recusando brinquedos e bolinhos no mercado. Já dei muito "não" e não consegui dar outro. Minhas filhas são extremamente compreensivas. O que dói mais ainda, porque é fácil dizer não para a criança que faz birra e se joga no chão. Mas dizer não para aqueles olhos brilhantes perguntando: "É caro mãe?" dói demais!

E eu me dei conta do meu valor como mãe. De ser forte. De ir contra meu ímpeto de comprar tudo. Porque muitas vezes não queremos criar seres consumistas mas em outras muitas vezes é por não ter dinheiro para comprar tudo que eles querem. De querer comprar tudo…