Pular para o conteúdo principal

Ser mãe de menina, ser rainha, ser exemplo.

Meu dou conta que sou mulher (e não mais menina) quando converso com minhas filhas sobre ser adulta. Quando elas olham para mim e tem o sonho de crescer à minha altura. Quando dizem que querem casar e ter filhos assim como eu, mesmo eu as estimulando a crescer, cursar faculdade, sair com as amigas, trabalhar, morar sozinha e depois ter filhos. Mesmo assim o que mais vale é o que EU faço todo dia.

Eu me supero por elas. Elas são meu espelho. Quando vejo que estão se matando, sem paciência uma com as outras, egoístas e todos esses sentimento humanos, eu passo um raio-x em mim e vejo como me comportei durante a semana. Sempre, sempre a causa sou eu, ou o pai. Quando brincam de bonecas (que elas gostam) elas repetem cada passo meu com as “filhas” delas.

Eu tinha horror a minha barriga. Elas tem orgulho. Amassam minha “massa de pão”, brincam com as mãozinhas de pula pula na barriga flácida, abraçam minha barriga quando conto que elas moraram lá. Acabou meu horror a ela. Hoje, pelas minhas filhas eu também sinto orgulho da minha “massa de pão flácida” hehe.

Quando me pedem para cantar eu me sinto a melhor cantora do mundo, elas sorriem, com um sorriso que temo nunca ver mais, e não vou ver mesmo, porque amanhã elas terão crescido a mais do que hoje. O sorriso de amanhã será outro.

Eu tenho 24 anos hoje, sou jovem, minhas amigas estão no último ano de faculdade. Cursaram as melhores faculdades, eu sinto tanto orgulho delas. Mas também tenho muito orgulho de mim, pois nós temos vidas diferentes, mas me agracio de sermos todas felizes.

E quando a mais velha me diz: "Nossa mãe você está linda! Ficou maravilhosa com essa roupa!" Não tem preço!!!!

E eu fico só curtindo esse amor e essa admiração que elas têm em mim. Na Aline mulher. Afinal, um dia descobrirão que sou uma pessoa comum e pior ainda, um dia serei a mãe careta, atrasada. Mas o importante é que eu seja eternamente amada por elas, amada por aquelas adultas, que um dia foi crianças, e memória de infância ... não existe nada melhor do que essa.


Comentários

  1. Que lindas.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  2. Bruna que lindo post! Ser mãe de menina é um presente maravilhoso que Deus nos dá. É ser um exemplo todos os dias, elas nos copiam em tudo que fazemos e se bem criadas e educadas teremos uma amiga para sempre. Parabéns e obrigada por dividir esse post!
    Beijos

    http://podernasmaos-podernasmaos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!
      É o que desejo... ter amigas para o resto da vida!
      Obrigada pela visita.
      Beijos!

      Excluir

Postar um comentário

Sua opinião é sempre importante! Deixe seu comentario e seu link que contribuiremos a visita de todos com prazer :)
Obrigada pela visita! *-*
Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

A Polêmica do Feijão com a Beterraba!

Recebi de algumas mamães perguntas sobre um post que as mesmas leram na internet (Você Sabia que não pode cozinhar Feijão com Beterraba?), onde se dizia que não se pode cozinhar feijão juntamente com beterraba. Elas me procuraram, pois estavam preocupadas alegando que sempre fizeram isso achando que aumentariam o ferro na alimentação de seus pimpolhos, como percebi que surgiu muita dúvida sobre esse tema resolvi elaborar esse post para esclarecer uns pontos: 



✔Tanto o feijão quanto a beterraba são ótimos alimentos, portanto, a menos que você possua alguma intolerância ou simplesmente odeie esses alimentos, não os exclua de sua rotina alimentar pois eles são super nutritivos!
✔Esses dois alimentos são conhecidos por serem alimentos ricos em ferro, então porque não podemos consumi-los juntos? 

O feijão cozido com beterraba não seria um “super feijão”? 😎
Então não posso mais “comer” feijão junto com beterraba? 😱


🔝Pode! Pode! Pode! 



💡Mas vamos esclarecer: Você pode sim comer feijão junto …

O que aprendi com a fórmula infantil

Por Camila Teles,mãe da Beatriz, nutricionista.
"Beatriz está com 2 meses, a cerca de uma semana estava irritadiça e chorona a tardezinha, nada a satisfazia, e queria mamar de meia em meia hora. Também não estava dormindo bem a noite, ficava muito agitada e "resmungando" durante o sono.
Então, na consulta de rotina com a pediatra relatei esse ocorrido.
Eu já sentia e sabia o que estava por vir, talvez por ser nutricionista, talvez por um instinto maternal, mas antes de tomar a decisão final quis ouvir a opinião da pediatra.
E aí ela me pergunta: você sente suas mamas ficarem cheias?
Eu respondi: não sinto mais
Pronto, ali tive a confirmação de que era realidade aquilo que eu tinha certeza por ser nutricionista, mas não queria acreditar por ser mãe.
Em seguida a pediatra disse que iria avaliar a Bia pra ver o que faríamos e pra minha infelicidade ela havia perdido peso de duas semanas pra cá (não quis a pesar em casa nessa semana pois já imaginava isso).
Enfim a pediatr…

Postagens mais visitadas deste blog

Qual nosso valor? Qual o valor da mãe que há em você?

Estamos em crise  econômica e política. Brasil cada dia levanta mais um pouco da saia e vemos suas sujeiras.Empregos e ações caindo. Preços aumentando.

Sabemos o quanto isso é bom para os brasileiros, mas até nos recuperarmos dessa crise quem mais sofre? Quem tem filhos.

Não é fácil ser mãe e não ter dinheiro. Não poder fazer todas as vontades do filho dói demais!
Ontem eu não resisti. Foram muito dias recusando brinquedos e bolinhos no mercado. Já dei muito "não" e não consegui dar outro. Minhas filhas são extremamente compreensivas. O que dói mais ainda, porque é fácil dizer não para a criança que faz birra e se joga no chão. Mas dizer não para aqueles olhos brilhantes perguntando: "É caro mãe?" dói demais!

E eu me dei conta do meu valor como mãe. De ser forte. De ir contra meu ímpeto de comprar tudo. Porque muitas vezes não queremos criar seres consumistas mas em outras muitas vezes é por não ter dinheiro para comprar tudo que eles querem. De querer comprar tudo…