Pular para o conteúdo principal

DISCIPLINAR: UM ATO DE AMOR ESQUECIDO

          Vivemos em um momento histórico onde tentamos romper com velhos paradigmas do passado, buscando valorizar outras questões e modificar certas estruturas sociais. Essa evolução tem colocado pais e mães cada vez mais fora do convívio familiar ininterrupto. A correria cotidiana, a busca por objetivos cada vez mais amplos e a luta pela sobrevivência num mercado de trabalho cada vez mais competitivo, tem desafiado as famílias a conseguir conciliar a vida profissional e pessoal sem descuidar da criação dos filhos.

Nesta busca constante pelo equilíbrio, aliado a uma difusão endemica de decadência dos valores humanos, tem feito com que o ato de disciplinar seja visto cada vez mais como algo pejorativo. Estamos sendo levados a crer pelos formadores de opinião que educar de forma permissiva é a forma mais clara de amor que podemos demonstrar. Mas isto é um engôdo.

A disciplina em seu conceito mais prático é a formação pessoal que permite ao ser humano a assunção de responsabilidades sobre seus atos. Em outras palavras, disciplina é fazer o que se deve fazer porque é o certo, mesmo que ninguém esteja cobrando. Mas acabamos entrando numa outra concepção que tem sido usada para propagar as ideias excessivamente permissivas: O que é certo e o que é errado?

Sim, há um certo e um errado! Determinados valores sociais são sim imutáveis. Respeito a dignidade humana, respeito ao próximo, pontualidade, cordialidade, gentileza, entre outros. O problema é que muitos formadores de opinião, e não me refiro só a atores das grandes redes, me refiro também a mestres dentro de suas salas de aula, querem incutir na mente das novas gerações de que não existe certo ou errado. Isso é um total equívoco. Certos valores são e sempre serão imutáveis. E disciplina é justamente aquilo que faz o ser humano respeitar estes valores imutáveis sem a necessidade constante de orientação.

Então, ato de amor não é permitir que o seu filho roube materiais do colega. Não é permitir que ele ofenda seus professores. Não é achar engraçado quando ele xinga alguém ou bate no cachorro. Ato de amor é corrigir o seu filho em cada atitude errada que ele toma, seja no trato com os demais, seja numa palavra errada que ele escreve.

Disciplinar é uma demonstração clara e inequívoca de que você ama seu filho. É a demonstração de que você se preocupa com o ser humano que ele vai ser. É a demonstração de que você quer que ele seja bem sucedido, mas que, antes de tudo, ele seja um homem ou mulher com dignidade em suas atitudes. O problema não é disciplinar. O problema é a forma como esta ação por vezes se revela. Somos levados a acreditar que disciplinar é gritar, agreditar com palavras e gestos, dar castigos, etc. Não! Disciplinar é construir um pensamento lógico na criança. É mostrá-lo que suas atitudes tem consequências positivas ou negativas e que uma atitude errada pode afetar a vida de outros.

“Então como disciplinar o meu filho”? Não é fácil. Nunca será. Ser disciplinador exige (pasmem): DISCIPLINA! Não há forma melhor de se ensinar alguém do que pelo exemplo. Se você quer um filho respeitoso, respeite a todos a sua volta. Se você quer um filho pontual, respeite os horários, tenha horário certo para acordar, para fazer refeições, para estudar, para assistir televisão ou jogar vídeo-game e para dormir. Almoce na mesa junto com seu filho, com toda a família reunida; se não pode todos os dias da semana, o faça no maior número de vezes que conseguir na semana. Não levante da mesa enquanto não acabar sua refeição. Seja o modelo a ser seguido em sua casa.

Converse com seu filho. Não deixe que a criação dele seja realizada pela Peppa Pig ou pela Dora Aventureira. Você é quem deve explicar ao seu filho porque o céu é azul. Você é quem deve dizer o que é certo e o que errado, perguntar como ele está se sentindo, perguntar como foi na escola e porque ele está com aquele machucado no braço. Você quem tem de ouvir quando ele disser que a professora deu sermão nele e você é quem tem de explicar que a professora estava certa porque ele estava fazendo bagunça na sala de aula. Diálogo. O grande problema da modernidade em relação à criação dos filhos é que o cansaço cotidiano e os meios de comunicações estão afastando pais e filhos em relação aos seus diálogos. Conversar por whats app ou facebook não é conversar! Diálogo entre pais e filhos tem que ser olho no olho! Você tem que estar lá para ver o sorriso dele ou para abraçá-lo se ele chorar! E nenhum emoji poderá fazer isso por você.

Corrija seu filho. Ensine-o que bater no colega não é certo e o mande pedir desculpas. Ensine-o que riscar a parede da sala é errado e que já tem uma parede própria para isso em seu quarto. Ensine-o que desrespeitar pai e mãe é errado. Castigá-lo? Cuidado. Procure saber quais castigos são recomendados para cada idade. Vários psicólogos tem sites especializados explicando. Não abuse dos castigos, mas não deixe de aplicá-los. A punição é um meio eficaz de mudança de comportamento quando bem aplicada. E, por favor, não agridam seus filhos! Seja por palavras, seja por gestos. Lembre-se de que cada atitude que você tomar contra ele, é um exemplo do que ele deverá fazer em relação aos outros.

Lembre-se: deixar seu filho aprender pelos próprios erros nem sempre o tornará mais forte. Ele poderá tornar-se siglas com uma tarja preta nos olhos na capa do jornal. Pertimitir que seu filho vença os obstáculos pelas próprias forças é diferente de permitir que ele faça o que quiser. Deixe-o cair de bicicleta e ralar o braço; deixe-o se sujar na lama do quintal; deixe-o arrancar o tampão do dedão do pé no asfalto; mas o faça escovar os dentes após as refeições! Mas o faça dormir na hora certa. Faça-o estudar na hora certa. Entenda que amar, por vezes, é impedir o próximo de fazer mal a si mesmo. Discipline seu filho sem excessos e no futuro ele dirá eu te amo.
 
   Yuri Lucchesi
 
Colaborador do Blog Jovens Mães

Comentários

  1. Muito bom e pertinente seu texto.
    Educar dá trabalho e muito!

    ResponderExcluir
  2. Texto perfeito, até compartilhei ele no meu face. Sabe, ainda não sou mãe, mas não existe coisa pior que criança chata e mau criada! Quando eu tiver meus filhos quero ser exemplo, assim como vc citou. Muito bom texto, parabéns!

    Beijos
    Fran
    Achei e Rabisquei

    ResponderExcluir
  3. Parabéns Bruna! Excelente matéria. Nós pais temos de estar cada vez mais atentos aos sinais de que algo não vai bem na educação de nossos filhos e procurar repensar nossas ações o quanto antes. Quem ama cuida!
    Tenha uma ótima semana!
    Beijos

    http://podernasmaos-podernasmaos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é sempre importante! Deixe seu comentario e seu link que contribuiremos a visita de todos com prazer :)
Obrigada pela visita! *-*
Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

A Polêmica do Feijão com a Beterraba!

Recebi de algumas mamães perguntas sobre um post que as mesmas leram na internet (Você Sabia que não pode cozinhar Feijão com Beterraba?), onde se dizia que não se pode cozinhar feijão juntamente com beterraba. Elas me procuraram, pois estavam preocupadas alegando que sempre fizeram isso achando que aumentariam o ferro na alimentação de seus pimpolhos, como percebi que surgiu muita dúvida sobre esse tema resolvi elaborar esse post para esclarecer uns pontos: 



✔Tanto o feijão quanto a beterraba são ótimos alimentos, portanto, a menos que você possua alguma intolerância ou simplesmente odeie esses alimentos, não os exclua de sua rotina alimentar pois eles são super nutritivos!
✔Esses dois alimentos são conhecidos por serem alimentos ricos em ferro, então porque não podemos consumi-los juntos? 

O feijão cozido com beterraba não seria um “super feijão”? 😎
Então não posso mais “comer” feijão junto com beterraba? 😱


🔝Pode! Pode! Pode! 



💡Mas vamos esclarecer: Você pode sim comer feijão junto …

O que aprendi com a fórmula infantil

Por Camila Teles,mãe da Beatriz, nutricionista.
"Beatriz está com 2 meses, a cerca de uma semana estava irritadiça e chorona a tardezinha, nada a satisfazia, e queria mamar de meia em meia hora. Também não estava dormindo bem a noite, ficava muito agitada e "resmungando" durante o sono.
Então, na consulta de rotina com a pediatra relatei esse ocorrido.
Eu já sentia e sabia o que estava por vir, talvez por ser nutricionista, talvez por um instinto maternal, mas antes de tomar a decisão final quis ouvir a opinião da pediatra.
E aí ela me pergunta: você sente suas mamas ficarem cheias?
Eu respondi: não sinto mais
Pronto, ali tive a confirmação de que era realidade aquilo que eu tinha certeza por ser nutricionista, mas não queria acreditar por ser mãe.
Em seguida a pediatra disse que iria avaliar a Bia pra ver o que faríamos e pra minha infelicidade ela havia perdido peso de duas semanas pra cá (não quis a pesar em casa nessa semana pois já imaginava isso).
Enfim a pediatr…

Postagens mais visitadas deste blog

Qual nosso valor? Qual o valor da mãe que há em você?

Estamos em crise  econômica e política. Brasil cada dia levanta mais um pouco da saia e vemos suas sujeiras.Empregos e ações caindo. Preços aumentando.

Sabemos o quanto isso é bom para os brasileiros, mas até nos recuperarmos dessa crise quem mais sofre? Quem tem filhos.

Não é fácil ser mãe e não ter dinheiro. Não poder fazer todas as vontades do filho dói demais!
Ontem eu não resisti. Foram muito dias recusando brinquedos e bolinhos no mercado. Já dei muito "não" e não consegui dar outro. Minhas filhas são extremamente compreensivas. O que dói mais ainda, porque é fácil dizer não para a criança que faz birra e se joga no chão. Mas dizer não para aqueles olhos brilhantes perguntando: "É caro mãe?" dói demais!

E eu me dei conta do meu valor como mãe. De ser forte. De ir contra meu ímpeto de comprar tudo. Porque muitas vezes não queremos criar seres consumistas mas em outras muitas vezes é por não ter dinheiro para comprar tudo que eles querem. De querer comprar tudo…