Pular para o conteúdo principal

O INSTITUTO DA GUARDA COMPARTILHADA


        
O Instituto da Guarda Compartilhada fora sancionada através da Lei de nº 11.698/2008. Tal instituto visa aos pais que estiverem em processo de separação á opção pela guarda compartilhada, o qual almeja que ambos compartilhem RESPONSABILIDADES e DESPESAS quanto à criação e educação dos filhos.

         Neste instituto os pais compartilham as responsabilidades em relação aos menores. Deliberam em conjunto sobre a rotina da criança, tais como: escola, viagens, atividades físicas e etc.
        
         Acredito que para o menor que vem de uma experiência de rompimento e perda dos pais, decorrente do divórcio judicial ou da dissolução da união estável, tal instituto dá a oportunidade de vê-los novamente juntos, assessorando-a na condução da sua vida.

         Ficara estabelecido, conforme optou o Legislador, que os termos da guarda poderão ser formulados em comum acordo pelas partes, no entanto somente o juiz poderá fixá-los.

PROBLEMAS A SEREM ENFRENTADOS


         O instituto da guarda compartilhada, mesmo legitimada em nosso Ordenamento Jurídico, assim como possuir inúmeros defensores, não chega ao êxito quando os genitores  não possuem uma boa convivência, bem como quando vivem em cidades diferentes.

         O êxito de tal instituto esta condicionado ao bom relacionamento do ex casal.

         A ideia de famílias nas quais os filhos de pais separados desfrutem de dois lares em PERFEITA HARMONIA É O IDEAL DE CONVIVÊNCIA PARA O MENOR, tendo em vista que efeitos patrimoniais dos alimentos e da sucessão assegurados pela lei valem muito pouco quando o afeto é desestimulado pela instabilidade emocional dos pais.

        
Ocorre que no plano real, este instituto da guarda compartilhada frequentemente torna-se inviável, eis que o afastamento dos pais gera uma verdadeira DISPUTA, ou um injustificável desinteresse no acompanhamento da educação dos menores, condutas que acabam sendo impostas aos tribunais, quase sempre para regulamentar o desajuste dos genitores e raramente com o propósito de contribuir à formação dos filhos.


CONCLUSAO

       Creio que mais que uma questão judicial, trata-se de uma questão social e pessoal.

         Relacionamentos podem acabar, mas filhos não. Desta feita, uma vez desfeita a união, tenho que se devem voltar as atenções para estes. Uma vez que sobre eles pesará toda e qualquer decisão dos ex casais.

         Mágoas, decepções ficarão. No entanto nenhum relacionamento se resume a isto. Ele também é pautado em momentos de alegrias e felicidades e não posso imaginar alegria maior que o nascimento de um filho (a).


         Por isso acredito que ao final devemos sopesar o melhor para os menores, pois nele devemos depositar nossos esforços e não no embate pessoal com o ex companheiro (a), uma vez que assim agindo nos auto destruímos e desvirtuamos a cabeça de nossos filhos.

         Fácil? Tenho certeza que não. Impossível? Jamais. Mas deixo uma última pergunta para reflexão: Quanto vale um sorriso sincero de felicidade no rosto de seu filho (a)?


Jose Eduardo M. Menezes
Estudante de Direito, 8º semestre, Anhanguera Jundiaí.

Comentários

  1. ola, tudo bem?
    estou conhecendo seu blog hoje.

    meu grande sonho é de ser mãe, ja dei uma olhada por aqui pra já ir aprendendo algumas coisinhas.

    beijos

    maisumbeijo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Bruna, na minha opinião, ocorre naturalmente quando ambos se comprometem e demonstram isto na convivência visando um bem maior o filho. Parabéns pelo post!
    Beijos

    http://podernasmaos-podernasmaos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Numa separação o mais importante são os filhos e não os bens!
    Adorei o post!
    Beijinhos

    https://annahandtheblog.blogspot.pt/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é sempre importante! Deixe seu comentario e seu link que contribuiremos a visita de todos com prazer :)
Obrigada pela visita! *-*
Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

A Polêmica do Feijão com a Beterraba!

Recebi de algumas mamães perguntas sobre um post que as mesmas leram na internet (Você Sabia que não pode cozinhar Feijão com Beterraba?), onde se dizia que não se pode cozinhar feijão juntamente com beterraba. Elas me procuraram, pois estavam preocupadas alegando que sempre fizeram isso achando que aumentariam o ferro na alimentação de seus pimpolhos, como percebi que surgiu muita dúvida sobre esse tema resolvi elaborar esse post para esclarecer uns pontos: 



✔Tanto o feijão quanto a beterraba são ótimos alimentos, portanto, a menos que você possua alguma intolerância ou simplesmente odeie esses alimentos, não os exclua de sua rotina alimentar pois eles são super nutritivos!
✔Esses dois alimentos são conhecidos por serem alimentos ricos em ferro, então porque não podemos consumi-los juntos? 

O feijão cozido com beterraba não seria um “super feijão”? 😎
Então não posso mais “comer” feijão junto com beterraba? 😱


🔝Pode! Pode! Pode! 



💡Mas vamos esclarecer: Você pode sim comer feijão junto …

O que aprendi com a fórmula infantil

Por Camila Teles,mãe da Beatriz, nutricionista.
"Beatriz está com 2 meses, a cerca de uma semana estava irritadiça e chorona a tardezinha, nada a satisfazia, e queria mamar de meia em meia hora. Também não estava dormindo bem a noite, ficava muito agitada e "resmungando" durante o sono.
Então, na consulta de rotina com a pediatra relatei esse ocorrido.
Eu já sentia e sabia o que estava por vir, talvez por ser nutricionista, talvez por um instinto maternal, mas antes de tomar a decisão final quis ouvir a opinião da pediatra.
E aí ela me pergunta: você sente suas mamas ficarem cheias?
Eu respondi: não sinto mais
Pronto, ali tive a confirmação de que era realidade aquilo que eu tinha certeza por ser nutricionista, mas não queria acreditar por ser mãe.
Em seguida a pediatra disse que iria avaliar a Bia pra ver o que faríamos e pra minha infelicidade ela havia perdido peso de duas semanas pra cá (não quis a pesar em casa nessa semana pois já imaginava isso).
Enfim a pediatr…

Postagens mais visitadas deste blog

Qual nosso valor? Qual o valor da mãe que há em você?

Estamos em crise  econômica e política. Brasil cada dia levanta mais um pouco da saia e vemos suas sujeiras.Empregos e ações caindo. Preços aumentando.

Sabemos o quanto isso é bom para os brasileiros, mas até nos recuperarmos dessa crise quem mais sofre? Quem tem filhos.

Não é fácil ser mãe e não ter dinheiro. Não poder fazer todas as vontades do filho dói demais!
Ontem eu não resisti. Foram muito dias recusando brinquedos e bolinhos no mercado. Já dei muito "não" e não consegui dar outro. Minhas filhas são extremamente compreensivas. O que dói mais ainda, porque é fácil dizer não para a criança que faz birra e se joga no chão. Mas dizer não para aqueles olhos brilhantes perguntando: "É caro mãe?" dói demais!

E eu me dei conta do meu valor como mãe. De ser forte. De ir contra meu ímpeto de comprar tudo. Porque muitas vezes não queremos criar seres consumistas mas em outras muitas vezes é por não ter dinheiro para comprar tudo que eles querem. De querer comprar tudo…