Pular para o conteúdo principal

Depoimento da Mamãe Pamela Carolina da Silva

"Aos 15 anos estava para acontecer algo que mudaria não apenas a minha vida, mas também a da minha família. Eu, uma adolescente estudava e cuidava da casa para minha mãe trabalhar, comecei a jogar futebol e com isso fiz várias amizades. Em um determinado dia fui passar a tarde na casa de uma de minhas colegas, a mãe dela estava gravida no 8º mês de gestação eu fiquei encantada; conversava com a bebê, e passei a ir com mais frequência a casa dela, e aí chegou o grande dia 03.02.2009 Eloáh Dezirê  estava a caminho. Eu estava ansiosa mesmo ela não sendo nada minha; então ela nasceu cheia de saúde e vida, uma princesa. O tempo foi passando e eu estava sempre ali ao lado dela, adorava ouvir seu chorinho, levava para passear...

Em dezembro, de madrugada, recebi uma ligação da “mãe” da Eloáh pedindo para eu ir buscar ela, pois estava tendo uma festa na casa dela e a bebê estava chorando muito e incomodando eles, sem pensar duas vezes me vesti, acordei meu irmão e fomos buscar ela, peguei-a apenas e fui embora. Levei-a para minha casa a troquei e a fiz dormir. No dia seguinte não tínhamos nada de bebê em casa, pois estávamos todos grandes já. Então minha mãe e eu fomos à farmácia e compramos mamadeira, fralda, leite, e as vizinhas deram umas roupinhas para ela.

Sua “mãe” veio dois dias depois buscá-la, mais aí o amor já havia nascido dentro de todos nós; sempre ia em casa passar o dia e tudo mais, chegou a época do carnaval e sua “mãe” sempre gostou de sair curtir, você ficou em casa uma semana, o tempo foi passando e ela cada dia mais junto a nossa família. Chegou o dia em que ela visitava a família biológica, pois já estava morando comigo e minha família. Abri mão de baladas, “amigos” entre outras coisas, pois a partir do momento que ela entrou em minha vida passou a ser prioridade, e não me arrependo do que fiz faria tudo novamente.

E até hoje 2016, a 7 anos, tenho me dedicado a minha princesa, faço de tudo: educo, levo ao médico, levo para passear, levo a igreja dou opções de que caminho ela deve seguir, mas quando foi o tempo certo irá escolher. Passamos por altos e juntas isso fez com que as quedas fossem amortecidas, ela é dona de um olhar meigo, de uma pureza que quem conhece jamais esquece, um doce de menina que a cada dia que passa me enche de orgulho.

Por: Pamela Carolina da Silva





Pamela tem 21 anos e escolheu ser mãe puramente por amor!




Comentários

  1. Que história lindaaa!! Apaixonei!
    Já era mãe antes de saber...muito lindo. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me encanto sempre com essa história também. Há pessoas que nasceram para amar! ❤

      Excluir

Postar um comentário

Sua opinião é sempre importante! Deixe seu comentario e seu link que contribuiremos a visita de todos com prazer :)
Obrigada pela visita! *-*
Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

A Polêmica do Feijão com a Beterraba!

Recebi de algumas mamães perguntas sobre um post que as mesmas leram na internet (Você Sabia que não pode cozinhar Feijão com Beterraba?), onde se dizia que não se pode cozinhar feijão juntamente com beterraba. Elas me procuraram, pois estavam preocupadas alegando que sempre fizeram isso achando que aumentariam o ferro na alimentação de seus pimpolhos, como percebi que surgiu muita dúvida sobre esse tema resolvi elaborar esse post para esclarecer uns pontos: 



✔Tanto o feijão quanto a beterraba são ótimos alimentos, portanto, a menos que você possua alguma intolerância ou simplesmente odeie esses alimentos, não os exclua de sua rotina alimentar pois eles são super nutritivos!
✔Esses dois alimentos são conhecidos por serem alimentos ricos em ferro, então porque não podemos consumi-los juntos? 

O feijão cozido com beterraba não seria um “super feijão”? 😎
Então não posso mais “comer” feijão junto com beterraba? 😱


🔝Pode! Pode! Pode! 



💡Mas vamos esclarecer: Você pode sim comer feijão junto …

O que aprendi com a fórmula infantil

Por Camila Teles,mãe da Beatriz, nutricionista.
"Beatriz está com 2 meses, a cerca de uma semana estava irritadiça e chorona a tardezinha, nada a satisfazia, e queria mamar de meia em meia hora. Também não estava dormindo bem a noite, ficava muito agitada e "resmungando" durante o sono.
Então, na consulta de rotina com a pediatra relatei esse ocorrido.
Eu já sentia e sabia o que estava por vir, talvez por ser nutricionista, talvez por um instinto maternal, mas antes de tomar a decisão final quis ouvir a opinião da pediatra.
E aí ela me pergunta: você sente suas mamas ficarem cheias?
Eu respondi: não sinto mais
Pronto, ali tive a confirmação de que era realidade aquilo que eu tinha certeza por ser nutricionista, mas não queria acreditar por ser mãe.
Em seguida a pediatra disse que iria avaliar a Bia pra ver o que faríamos e pra minha infelicidade ela havia perdido peso de duas semanas pra cá (não quis a pesar em casa nessa semana pois já imaginava isso).
Enfim a pediatr…

Postagens mais visitadas deste blog

Qual nosso valor? Qual o valor da mãe que há em você?

Estamos em crise  econômica e política. Brasil cada dia levanta mais um pouco da saia e vemos suas sujeiras.Empregos e ações caindo. Preços aumentando.

Sabemos o quanto isso é bom para os brasileiros, mas até nos recuperarmos dessa crise quem mais sofre? Quem tem filhos.

Não é fácil ser mãe e não ter dinheiro. Não poder fazer todas as vontades do filho dói demais!
Ontem eu não resisti. Foram muito dias recusando brinquedos e bolinhos no mercado. Já dei muito "não" e não consegui dar outro. Minhas filhas são extremamente compreensivas. O que dói mais ainda, porque é fácil dizer não para a criança que faz birra e se joga no chão. Mas dizer não para aqueles olhos brilhantes perguntando: "É caro mãe?" dói demais!

E eu me dei conta do meu valor como mãe. De ser forte. De ir contra meu ímpeto de comprar tudo. Porque muitas vezes não queremos criar seres consumistas mas em outras muitas vezes é por não ter dinheiro para comprar tudo que eles querem. De querer comprar tudo…