Pular para o conteúdo principal

Os Quatro Porquinhos



 Algo que muito aflige os pais é a Educação dos filhos e a forma correta de ensiná-los. Há pais que se preocupam, inclusive, com o que é transmitido na televisão e de que forma isso vem atingindo seus filhos. Como é de notório saber popular, existe uma família de porquinhos que atinge diretamente crianças entre 1 a 5 anos de idade (senão menos ou mais), não há criança que não conheça e que não queira um brinquedo, uma roupa, ou até mesmo comida com embalagem dos personagens; não só esse tão famoso desenhos, mas também filmes, inclusive o das irmãs atualmente mais famoso da Disney; que a meu ver, em si próprios não são ofensivos à educação da criança, apesar de tantas críticas fundadas, seja pela forma do desenho, relação e comportamento dos personagens. Mas o que pode haver de tão grave aos nossos filhos em um desenho em que a principal ideia é uma família que busca rir de tudo na vida para viver de forma harmoniosa? Ou o que há de tão mal em uma irmã que tenta resolver os problemas criados apenas com o amor¿ Ou ainda, é tão ruim já falar inglês repetindo uma garotinha de cabelos curtos¿ Não é assim que deveríamos ser?
Sim. Pois bem, mas há alguns motivos, que são gerais na nossa sociedade, que nos impedem de ser como “deveríamos” e traz esses desenhos como causadores de polêmicas e influencia na educação, vamos a eles.
Minha principal indagação é: se a mensagem do desenho é uma família feliz e harmoniosa, porque nossos filhos estão na frente da TV quando deveriam estar vivendo de forma harmoniosa e rindo de tudo na vida junto com nós, seus pais? A questão está mesmo no desenho ou em nós, que por mero comodismo muitas vezes deixamos nossos filhos na frente dela para conseguirmos fazer nossas tarefas?
Ou ainda, o problema está na mídia que se aproveita do nosso comodismo, e faz propagandas a todo tempo e de toda a forma possível, para que nossos filhos peçam e peçam e peçam até que, mesmo contrariados cedamos a eles o tal brinquedo, roupa, sapato, comida... A indústria pode sim ser aproveitadora e estar influenciando demais nossos filhos, mas a principal responsável é mesmo ela? Ou somos nós que não sabemos dizer não?
A criança vive aquilo que ocupa a mente dela. Então a culpa é mesmo do desenho, ou da falta do que fazer?
A criança nessa fase está num processo de conhecimento de mundo, tudo tem que ser apresentado a ela, com suas formas positivas e negativas. Se ela apenas ficar sentada na frente de uma TV, é claro que tudo o que ela vai querer vai ser o que ela vê ali, mas ela nunca experimentou o real daquilo, ela nunca viu de fato os pais deitarem no chão com ela e darem risada, como os porquinhos fazem ao final de quase todos os episódios, ela nunca caçou um tesouro, nunca teve um mapa na mochila, nunca pulou na poça de lama, nunca brincou de boneco de neve (ou de areia), nunca fez panquecas junto com o papai e a mamãe, então apenas ao que ela pode se apegar é a imagem de que isso existe só no desenho, e querer tudo o que se refira aos personagens, porque pra ela, é ali que o desenho acaba.
E com tudo o que nos é apresentado, podemos concluir que o problema vai além da indústria, vai além do próprio desenho, além da propaganda publicitária, quando temos opinião, conseguimos convencer qualquer um, principalmente aos nossos filhos. Mas não estamos formando opinião neles, estamos permitindo que eles assistam a tudo o que querem e dando tudo o que pedem, senão vamos passar vergonha com a birra deles.
A solução, portanto estaria nas simples atitudes de estarmos mais presentes e darmos mais opções de lazer aos nossos filhos, a exemplo dos desenhos, quantas vezes você deixou seu filho sentar no seu colo enquanto trabalhava? Quantas vezes dançou e cantou com eles como os ratinhos¿ Quantas vezes colocaram uma capa e foram super heróis¿ Quantas vezes você saiu com ele depois do desenho pra tentar reproduzir a tradicional cena da poça de Lama? Quantas vezes você parou o que estava fazendo, inclusive o trabalho (quando seu filho te chamou: mamãe, papai, me deixa sentar no seu colo? Mamãe me deixa ver você trabalhar? Ou apenas: mamãe!), se pararmos pra pensar a fundo, a mensagem dos desenhos mais famosos de hoje são mais para nós pais do que propriamente para as crianças, elas naturalmente sabem viver em harmonia, mas quem deixou a correria do dia-a-dia fazer-nos esquecer disso fomos nós mesmos. Então, que tal da próxima vez que você for à loja e seu filho pedir um brinquedo daquele, você dizer: vamos nos vestir igual eles, fazer nossas próprias fantasias? Ou se for um alimento (normalmente nada saudável), porque não diz: vamos para casa fazer panqueca igual eles!

Com certeza seu filho estará bem mais satisfeito, porque além de “ser como o personagem favorito”, vai ser simplesmente seu filho. E nessa você não precisou comprar o produto, não teve que se influenciar pela mídia a não ser pela ideia de que você pode passar mais tempo com o seu filho.



Você é a rainha aos olhos do seu filho! Por mais que embaracem seus cabelos, deixá-los pentear é fazê-los sentir importantes. E aos olhos deles você sempre estará linda!



Se as leis são importante, de nada valeria se ela não participasse.



Ainda de quando tinha apenas a hora do almoço com ela. Sujeira? É o de menos, nunca me importei com isso. Me importo mais com essas mãozinhas comendo minha comida e me fazendo feliz!



Bagunça?! Aqui se chama ajudar a mamãe. Faz parte... É ajudando que se aprende.



De costas para a TV! De frente para os livros!



Passeando no sítio.. 



Quem não gosta de um parque?!



E mais uma vez, do que adiantaria o Direito se ela não participasse?! 



Por: Bruna Francine

Créditos à  Yuri Lucchesi - Recanto das Letras

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Polêmica do Feijão com a Beterraba!

Recebi de algumas mamães perguntas sobre um post que as mesmas leram na internet (Você Sabia que não pode cozinhar Feijão com Beterraba?), onde se dizia que não se pode cozinhar feijão juntamente com beterraba. Elas me procuraram, pois estavam preocupadas alegando que sempre fizeram isso achando que aumentariam o ferro na alimentação de seus pimpolhos, como percebi que surgiu muita dúvida sobre esse tema resolvi elaborar esse post para esclarecer uns pontos: 



✔Tanto o feijão quanto a beterraba são ótimos alimentos, portanto, a menos que você possua alguma intolerância ou simplesmente odeie esses alimentos, não os exclua de sua rotina alimentar pois eles são super nutritivos!
✔Esses dois alimentos são conhecidos por serem alimentos ricos em ferro, então porque não podemos consumi-los juntos? 

O feijão cozido com beterraba não seria um “super feijão”? 😎
Então não posso mais “comer” feijão junto com beterraba? 😱


🔝Pode! Pode! Pode! 



💡Mas vamos esclarecer: Você pode sim comer feijão junto …

O que aprendi com a fórmula infantil

Por Camila Teles,mãe da Beatriz, nutricionista.
"Beatriz está com 2 meses, a cerca de uma semana estava irritadiça e chorona a tardezinha, nada a satisfazia, e queria mamar de meia em meia hora. Também não estava dormindo bem a noite, ficava muito agitada e "resmungando" durante o sono.
Então, na consulta de rotina com a pediatra relatei esse ocorrido.
Eu já sentia e sabia o que estava por vir, talvez por ser nutricionista, talvez por um instinto maternal, mas antes de tomar a decisão final quis ouvir a opinião da pediatra.
E aí ela me pergunta: você sente suas mamas ficarem cheias?
Eu respondi: não sinto mais
Pronto, ali tive a confirmação de que era realidade aquilo que eu tinha certeza por ser nutricionista, mas não queria acreditar por ser mãe.
Em seguida a pediatra disse que iria avaliar a Bia pra ver o que faríamos e pra minha infelicidade ela havia perdido peso de duas semanas pra cá (não quis a pesar em casa nessa semana pois já imaginava isso).
Enfim a pediatr…

Postagens mais visitadas deste blog

Qual nosso valor? Qual o valor da mãe que há em você?

Estamos em crise  econômica e política. Brasil cada dia levanta mais um pouco da saia e vemos suas sujeiras.Empregos e ações caindo. Preços aumentando.

Sabemos o quanto isso é bom para os brasileiros, mas até nos recuperarmos dessa crise quem mais sofre? Quem tem filhos.

Não é fácil ser mãe e não ter dinheiro. Não poder fazer todas as vontades do filho dói demais!
Ontem eu não resisti. Foram muito dias recusando brinquedos e bolinhos no mercado. Já dei muito "não" e não consegui dar outro. Minhas filhas são extremamente compreensivas. O que dói mais ainda, porque é fácil dizer não para a criança que faz birra e se joga no chão. Mas dizer não para aqueles olhos brilhantes perguntando: "É caro mãe?" dói demais!

E eu me dei conta do meu valor como mãe. De ser forte. De ir contra meu ímpeto de comprar tudo. Porque muitas vezes não queremos criar seres consumistas mas em outras muitas vezes é por não ter dinheiro para comprar tudo que eles querem. De querer comprar tudo…