Pular para o conteúdo principal

Ética e Sociedade - Como ensinar aos filhos

Apresentação do seminário sobre SOCIEDADE E ÉTICA (#repost)

Como aplicar em casa...


Estou aqui pensando e tentando colaborar com meu grupo para a apresentação do trabalho com o tema acima, da disciplina optativa da FADITU "Direitos Humanos, Ética e Política", conduzida pelo Professor Denis Vieira. Como mãe não temos como discutir o tema sem abrangê-lo na nossa vida.
Aprendemos que ética é a forma como educamos a pessoa em sua forma moral no intuito de proporcionar uma boa ligação entre as ideias pessoais e todo o coletivo, o que significa então, que eu posso ter determinadas ideias divergentes da sua, mas que ético da minha parte é respeitar as suas ideias, sem deixar de expor (e não impor) as minhas e agir de forma respeitosa para que vivamos harmoniosamente em sociedade, no contexto em que tivermos inseridos.


Constantemente vemos na nossa área materna discussões a respeito de cesarianas e partos humanizados; até que ponto é ético uma mãe dizer que o parto humanizado é o melhor e lutar para sua ampliação? Partindo dessa ideia podemos conceituar a moral, ética e a sua relação na sociedade. Moral é aquilo que você particularmente pensa, aquilo que sua família transmitiu a você; pode-se pensar que não há nada demais em se ter um parto com dia e hora marcada, mas no contexto da nossa sociedade brasileira em que a maioria dos partos são cesarianas mesmo que não recomendados pela OMS, é ético sairmos dizendo que é bom para as mulheres e para os médicos? É só uma ideia particular, ou é mesmo o melhor pra todos nós? Pais, mães, médicos, enfermeiros... 
Ético é aquilo, que dentro da sociedade podemos caracterizar como respeito ao próximo; eu posso pensar que um determinado tipo de parto não é o melhor, mas é ético eu respeitar o tempo da mulher e do bebê em deixar acontecer cada momento e quando a equipe juntamente com a mãe e o pai da criança percebem que a cesariana se faz realmente necessária partem para o procedimento cirúrgico, isso é ético dentro da sociedade, pois todos agiram em conjunto, a mãe respeitou a graduação do médico em saber a hora exata de parar (ou de nem iniciar a tentativa do parto natural), o médico respeitou o tempo da mãe e do bebê, respeitou o pai que se fez presente no momento, e todos os auxiliares esperaram o momento certo de agir. Um pouco utópico, ainda mais na nossa sociedade em que uma simples "lei de parto natural"( Lei 15.759) faz dividir opiniões entre as próprias mulheres. Mas o que devemos entender é que o que esperamos de nossas leis é o bom convívio entre a sociedade, e quando envolve saúde nem sempre os nossos pensamentos morais estarão acima; mas e o nosso corpo? Não temos direito total sobre ele? Eu mãe não posso escolher que tipo de parto terei? Talvez, mas aí devemos entender além do Direito, que é natural parir, e a cesariana é procedimento cirúrgico de emergência, mesmo que se faça moral para muitas mães, seria considerada antiética assim como retirar um pâncreas sem a necessidade. Repito, sem a necessidade. Como a própria lei aborda. Bom, mas essa é uma longa discussão entre pensamentos e podemos continuar a discutir depois.
Por ora, vamos tentar entender o que podemos fazer para nossos filhos, como ensiná-los a serem éticos dentro de uma sociedade tão divergente. Primeiramente, como mães, devemos compreender que a criança aprende mais com exemplos do que com palavras, então, antes de tudo o respeito ao próximo, a educação, a politica, civismo, moralismo e ética partem do exemplo que damos. É possível ter crianças educadas pelas simples atitudes que tomamos. 
Fazendo faculdade muitas vezes penso estar distante demais da Lara, porém em cada aprendizado dela percebo o quanto estou presente nos pequenos momentos. Ela aprendeu a dizer bom dia para as tias da escolinha todos os dias, somente por me ver dizer. Tornar uma sociedade melhor muitas vezes depende mais de nossas atitudes do que de nossas palavras, e assim como pensamos e agimos de determinada forma porque na maior parte adquirimos de casa, também nossos filhos agirão como ensinarmos. Se quisermos filhos que respeitem o próximo, que respeitem valores, devemos começar a compreender mais o lugar que estamos e frequentamos; cada lugar 'pede' um tipo de atitude, e começar respeitando o lugar que estamos é o inicio do exercício ético. E nossos filhos, estando junto com nós aprenderão a serem bons humanos uns com os outros, construirá neles uma moral que levarão pra vida e uma ética que será plena dentro da sociedade. 
Não podemos mudar o mundo, mas podemos mudar o lugar que estamos, e nossos filhos serão nosso futuro e nosso exemplo. Se reclamamos do que acontece hoje ensinemos a eles e pra isso é preciso agir com o exemplo.

Seguem fotos dos pequenos momentos da Lara e seus pequenos aprendizados, é brincando que se irá aprender cada valor. São com pequenos gestos que se tomam grandes atitudes!





Brincando com Reciclados  - 1 ano e 1 mes

Na faculdade com a mamãe - aprendendo  que estar presente é carinho - 1 ano e 9 meses

Contato com a Terra! - Ensina o valor e amor a natureza, quem ama a natureza respeita ao próximo - 1 ano e 10 meses

Momento de interação com mamãe e priminha, a música e todas as artes são importantes para o desenvolvimento da criança e seu aprendizado social - 1 ano e 7 meses




Por: Bruna Francine





Comentários

  1. Ótimo texto Bruna! É sempre nessa tecla que bato o respeito com o próximo, ninguém vive sozinho e o respeito é o maior responsável para que possamos conviver bem. E educarmos nossos filhos com atitudes respeitosas para o futuro é uma pequena parte do que podemos fazer para o amanhã.
    Boa Noite!
    Beijos

    http://podernasmaos-podernasmaos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é sempre importante! Deixe seu comentario e seu link que contribuiremos a visita de todos com prazer :)
Obrigada pela visita! *-*
Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

A Polêmica do Feijão com a Beterraba!

Recebi de algumas mamães perguntas sobre um post que as mesmas leram na internet (Você Sabia que não pode cozinhar Feijão com Beterraba?), onde se dizia que não se pode cozinhar feijão juntamente com beterraba. Elas me procuraram, pois estavam preocupadas alegando que sempre fizeram isso achando que aumentariam o ferro na alimentação de seus pimpolhos, como percebi que surgiu muita dúvida sobre esse tema resolvi elaborar esse post para esclarecer uns pontos: 



✔Tanto o feijão quanto a beterraba são ótimos alimentos, portanto, a menos que você possua alguma intolerância ou simplesmente odeie esses alimentos, não os exclua de sua rotina alimentar pois eles são super nutritivos!
✔Esses dois alimentos são conhecidos por serem alimentos ricos em ferro, então porque não podemos consumi-los juntos? 

O feijão cozido com beterraba não seria um “super feijão”? 😎
Então não posso mais “comer” feijão junto com beterraba? 😱


🔝Pode! Pode! Pode! 



💡Mas vamos esclarecer: Você pode sim comer feijão junto …

O que aprendi com a fórmula infantil

Por Camila Teles,mãe da Beatriz, nutricionista.
"Beatriz está com 2 meses, a cerca de uma semana estava irritadiça e chorona a tardezinha, nada a satisfazia, e queria mamar de meia em meia hora. Também não estava dormindo bem a noite, ficava muito agitada e "resmungando" durante o sono.
Então, na consulta de rotina com a pediatra relatei esse ocorrido.
Eu já sentia e sabia o que estava por vir, talvez por ser nutricionista, talvez por um instinto maternal, mas antes de tomar a decisão final quis ouvir a opinião da pediatra.
E aí ela me pergunta: você sente suas mamas ficarem cheias?
Eu respondi: não sinto mais
Pronto, ali tive a confirmação de que era realidade aquilo que eu tinha certeza por ser nutricionista, mas não queria acreditar por ser mãe.
Em seguida a pediatra disse que iria avaliar a Bia pra ver o que faríamos e pra minha infelicidade ela havia perdido peso de duas semanas pra cá (não quis a pesar em casa nessa semana pois já imaginava isso).
Enfim a pediatr…

Postagens mais visitadas deste blog

Qual nosso valor? Qual o valor da mãe que há em você?

Estamos em crise  econômica e política. Brasil cada dia levanta mais um pouco da saia e vemos suas sujeiras.Empregos e ações caindo. Preços aumentando.

Sabemos o quanto isso é bom para os brasileiros, mas até nos recuperarmos dessa crise quem mais sofre? Quem tem filhos.

Não é fácil ser mãe e não ter dinheiro. Não poder fazer todas as vontades do filho dói demais!
Ontem eu não resisti. Foram muito dias recusando brinquedos e bolinhos no mercado. Já dei muito "não" e não consegui dar outro. Minhas filhas são extremamente compreensivas. O que dói mais ainda, porque é fácil dizer não para a criança que faz birra e se joga no chão. Mas dizer não para aqueles olhos brilhantes perguntando: "É caro mãe?" dói demais!

E eu me dei conta do meu valor como mãe. De ser forte. De ir contra meu ímpeto de comprar tudo. Porque muitas vezes não queremos criar seres consumistas mas em outras muitas vezes é por não ter dinheiro para comprar tudo que eles querem. De querer comprar tudo…