Pular para o conteúdo principal

O que deixou de ser segredo...

6 semanas


Depois que descobrimos a vinda de um bebê, ainda passamos quase um mês sem contar pra ninguém. Até que um dia minha irmã estava em casa e então contei a ela e fui fazer um exame de laboratório (ela me forçou a ir) para ter certeza que estava mesmo ali. Fomos juntas e ansiosamente esperamos pelo resultado que ficou pronto em menos de uma hora: você bebê, estava mesmo ali. Então tomei coragem para contar pra vovó (na verdade minha irmã me forçou de novo - sob argumento de que eu teria que iniciar um pré natal logo para segurança do bebê, isso pareceu-me coerente, então me convenci), foi meio estranho, é como se eu tivesse traído a confiança dela, sabe?! Morávamos só nós duas, e eu tinha acabado de entrar pra faculdade! O que ela ia pensar de mim? Que sou a filha má, com certeza! Mas não foi bem assim.. tomei um sermãozinho, algo como: "onde você tava com a cabeça!?", "mas você acabou de começar a faculdade" "agora que tá, fazer o que, vamos cuidar", enfim, acho que toda mãe que recebe uma notícia dessas diz isso. rsrs. Passado o choque inicial percebi que seria mais fácil do que pensei. Ah! não! E meu pai?? Como vou contar isso pro meu PAI ??? É, fiz a mesma coisa: liguei. Acho que não conseguiria encarar nenhum dos dois, pelo telefone seria mais fácil, pelo menos eu não correria o risco de apanhar, apesar de achar que nenhum dos dois fariam isso. Bom, meu pai simplesmente disse depois de um minuto de silêncio (acho que ele estava se contendo pra não me xingar de tudo que fosse possível): Parabéns!
 Confirmei para o papai, que contou para a mãe dele, e a partir de então começamos espalhar para toda a família. Muitos receberam a notícia com surpresa, mas desde o começo todos apoiaram e estiveram do nosso lado.Você, bebê, já estava de seis semanas.


Ps para Lara: Mamãe já não precisava mais esconder os enjoos que estava tendo, vomitava todos os dias quando chegava da faculdade e dizia pra vovó que era algo que tinha comido, mas na verdade era você ali. (leia mais como eu fazia para minimizar os enjoos )
É, amigas, uma gravidez inesperada tem muitos momentos de emoção, e se você gosta de emoção é uma boa; mas se puder seguir meu conselho: espere, planeje, rsrs, com certeza as emoções serão boas também.
Não desista de nada que sonhou, como me disseram muitas vezes: "gravidez não é doença, apenas cuide porque é uma vida!"
Não dê ouvidos a ninguém que te deixe pra baixo, você já é forte por superar esse primeiro impacto. Seja forte, procure informações, a gestação te reservará muitas surpresas. Pare de pensar nos outros, o pré-natal no primeiro trimestre é extremamente impontante! Faça o seu melhor de mulher desde já, você pode! E vai ser a melhor mãe do mundo! Acredite! Não importa tua idade, importa o amor que você tem pra dar, e a força de vontade que terás pra superar o que der e vier!

"Mães jovens são aquelas jovens de espírito para brincar com os filhos, e jovens mães são aquelas que amadurecem para cuidar deles da melhor forma possível. E isso independe de idade!"


Por: Bruna Moreli

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Polêmica do Feijão com a Beterraba!

Recebi de algumas mamães perguntas sobre um post que as mesmas leram na internet (Você Sabia que não pode cozinhar Feijão com Beterraba?), onde se dizia que não se pode cozinhar feijão juntamente com beterraba. Elas me procuraram, pois estavam preocupadas alegando que sempre fizeram isso achando que aumentariam o ferro na alimentação de seus pimpolhos, como percebi que surgiu muita dúvida sobre esse tema resolvi elaborar esse post para esclarecer uns pontos: 



✔Tanto o feijão quanto a beterraba são ótimos alimentos, portanto, a menos que você possua alguma intolerância ou simplesmente odeie esses alimentos, não os exclua de sua rotina alimentar pois eles são super nutritivos!
✔Esses dois alimentos são conhecidos por serem alimentos ricos em ferro, então porque não podemos consumi-los juntos? 

O feijão cozido com beterraba não seria um “super feijão”? 😎
Então não posso mais “comer” feijão junto com beterraba? 😱


🔝Pode! Pode! Pode! 



💡Mas vamos esclarecer: Você pode sim comer feijão junto …

O que aprendi com a fórmula infantil

Por Camila Teles,mãe da Beatriz, nutricionista.
"Beatriz está com 2 meses, a cerca de uma semana estava irritadiça e chorona a tardezinha, nada a satisfazia, e queria mamar de meia em meia hora. Também não estava dormindo bem a noite, ficava muito agitada e "resmungando" durante o sono.
Então, na consulta de rotina com a pediatra relatei esse ocorrido.
Eu já sentia e sabia o que estava por vir, talvez por ser nutricionista, talvez por um instinto maternal, mas antes de tomar a decisão final quis ouvir a opinião da pediatra.
E aí ela me pergunta: você sente suas mamas ficarem cheias?
Eu respondi: não sinto mais
Pronto, ali tive a confirmação de que era realidade aquilo que eu tinha certeza por ser nutricionista, mas não queria acreditar por ser mãe.
Em seguida a pediatra disse que iria avaliar a Bia pra ver o que faríamos e pra minha infelicidade ela havia perdido peso de duas semanas pra cá (não quis a pesar em casa nessa semana pois já imaginava isso).
Enfim a pediatr…

Postagens mais visitadas deste blog

Qual nosso valor? Qual o valor da mãe que há em você?

Estamos em crise  econômica e política. Brasil cada dia levanta mais um pouco da saia e vemos suas sujeiras.Empregos e ações caindo. Preços aumentando.

Sabemos o quanto isso é bom para os brasileiros, mas até nos recuperarmos dessa crise quem mais sofre? Quem tem filhos.

Não é fácil ser mãe e não ter dinheiro. Não poder fazer todas as vontades do filho dói demais!
Ontem eu não resisti. Foram muito dias recusando brinquedos e bolinhos no mercado. Já dei muito "não" e não consegui dar outro. Minhas filhas são extremamente compreensivas. O que dói mais ainda, porque é fácil dizer não para a criança que faz birra e se joga no chão. Mas dizer não para aqueles olhos brilhantes perguntando: "É caro mãe?" dói demais!

E eu me dei conta do meu valor como mãe. De ser forte. De ir contra meu ímpeto de comprar tudo. Porque muitas vezes não queremos criar seres consumistas mas em outras muitas vezes é por não ter dinheiro para comprar tudo que eles querem. De querer comprar tudo…